Achados

Comilanças no País Basco, parte 2: os peixes na brasa de Getaria

por Adriana Setti em

Getaria: terra de Balenciaga e dos melhores rodaballos e besugos, no País Basco

O mundo mal saberia da existência de Getaria se o mítico estilista Cristobal Balenciaga não tivesse nascido  nesse simpático pueblo praiano, vizinho a San Sebastián, no País Basco. A cidadezinha, aliás, acaba de inaugurar um museu ultra high-tech em sua homenagem. Mas isso é assunto para outro post. O que interessa, para quem não tem grande interesse pela alta costura, é que ali se come o melhor peixe na brasa do país – e, talvez, da sua vida.

E para acompanhar, txacoli, o vinho tipicamente basco

A receita é a simplicidade e a matéria-prima: peixe selvagem e fresquíssimo, assado em grandes braseiros ao ar livre. As suas estrelas são o rodaballo (não é o robalo brasileiro, mas sim o que se conhece como turbot em inglês ou pregado em português) e o besugo (fico devendo a tradução, mas trata-se do peixe mais caro por aqui), que habitam a lista dos top 5 peixes nobres da Espanha. E para preparar o estômago, as tavernas do pueblo ainda servem uma seleção de primeiríssima de tudo o que sai do Mar Cantábrico pelas mãos dos pescadores locais: boquerones (um peixinho branco primo da anchova), anchovas, almêijoas, chipirones (lulinhas bebê)…

Leia também:
Comilanças no País Basco, parte 1: La Cuchara de San Telmo, em San Sebastián

O restaurante mais famoso da região (e o mais caro também) é o Elkano. Mas meus grandes anfitriões locais, Javi (basco da gema) e Paulinha (basca por adoção), me levaram à uma taverna familiar e low profile, escondidinha em uma rua estreita e um pouco apartada dos restaurantes animados que bordeiam o porto — o lugar onde vão os de Getaria quando querem comer o melhor de sua cozinha. Com dois andares erguidos em pedra e madeira, a Iribar Jatetxea (Kale Nagusia, 34, 943-14-0406) é um daqueles lugares que dificilmente estarão nos guias. Barato não é (uma refeição sai por cerca de 50 ou 60 euros por pessoa), mas seus momentos em seus domínios serão épicos. As fotos são auto-explicativas.

Almêijoas com alcachofras ao molho verde: de chorar de bom

Rodaballo selvagem e fresco na brasa: simples e muuuuuito bom

O visual low profile e aconchegante do restaurante: daqueles lugares escondidinhos que valem a viagem

Salivou? Da próxima vez em que for a San Sebastián, pegue um trem até a terra de Balenciaga.

Siga @drisetti no Twitter.

Deixe seu comentário
Nome
E-mail
Comentário (Seu comentário mínimo 5 caracteres )