Boteclando

Comprando peixe na Ceagesp (ou no Ceasa)

por Miguel Icassatti em

Pátio do Ceasa: a foto é antiga (1995) mas a atmosfera permanece / Foto: Gladstone Campos

Para a maioria dos paulistanos, a Ceagesp  (ou o Ceasa) é aquele megaatacado feiosão, na margem direita do Rio Pinheiros, em que os donos de restaurantes e chefs de cozinha, supermercadistas, feirantes e o público em geral vão buscar toda sorte de produtos hortifrutigranjeiros para abastecer seus estabelecimentos, barracas e geladeiras.

Uma vez por ano, pelo menos, o coitado do Ceasa (ou a Ceagesp) aparece nos telejornais, em rede nacional, por causa das inundações na temporada de chuvas. Você deve se lembrar de ter visto o Datena e o comandante Hamilton exibindo as imagens deprimentes de caixotes de madeira, hortaliças e melancias boiando próximo a caminhões ilhados. Triste, não é?

Pois é, a Ceagesp (ou o Ceasa) é feiosa mesmo, você e seu nariz serão sufocados por cheiros bons e outros nem tanto, mas esse gigantesco entreposto deve ser considerado como um, digamos, ponto turístico obrigatório na cidade caso você seja um aficionado por gastronomia (Ok, e também por jardinagem, mas essa é uma outra história).

E não é que esta Semana Santa oferece um motivo para visitar esse mundo das cebolas e dos badejos?

Até amanhã, quinta-feira (5), acontece das 3 da tarde às 9 da noite a 7ª Santa Feira do Peixe. No Pátio do Pescado, cercadas por carretas tipo frigorífico, algumas barracas vão vender diretamente ao consumidor produtos frescos como polvo, lagostim, lula, camarão e diversos tipos de peixe.

Passei por lá ontem à noite e enchi duas sacolas com camarão cinza (R4 24,00 o quilo) e um viçoso lombo de bacalhau Cod gadus morhua (R$ 42,98 o quilo). Confesso que não pesquisei os preços desses itens no supermercado, mas me parece que fiz um bom negócio. Entre outras pechinchas vi também que havia sardinha (R$ 4,00 o quilo), cavalinha (R$ 2,60) e lula (R$ 10,00). No meio do pátio, ao lado da banca de bacalhau, pode-se aproveitar a viagem e levar para casa todo tipo de tempero.

A quem quiser fazer uma boquinha por ali, uma banca nos fundos dessa área vende pastel de bacalhau e de outros sabores. E apesar de o endereço oficial do Ceasa (ou a Ceagesp) constar como Avenida Doutor Gastão Vidigal, 1946, fica a dica: o melhor acesso à Santa Feira se dá pelo portão 13 da Avenida das Nações Unidas (Marginal Pinheiros), cerca de 500 metros após a ponte do Jaguaré. Estacionamento grátis.

Comentários (4)
Deixe seu comentário
Nome
E-mail
Comentário (Seu comentário mínimo 5 caracteres )

  • Por: rosana garcia
  • -
  • 5 de abril de 2012 at 12:12

salvou meu almoço da sexta-feira santa. Não sabia onde encontrar um bacalhau de qualidade. Vou ao Ceasa daqui a pouco e aproveito par comprar um temperos especiais. Fora comprar um produto de qualidade aproveito e ainda faço um programa diferente.
Adorei suas dicas.

  • Por: Ricardo Mariya
  • -
  • 8 de abril de 2012 at 14:18

Estive na Santa Feira na quinta-feira (5) e tive a maior decepção! Cheguei por volta das 16:00 h (uma hora após a abertura) e vi peixes com péssima aparência e sem proteção além de estarem sem a camada de gelo.
O bacalhau, nem sei se era mesmo o gadus morhua, pois estava tudo misturado aos outros tipos, além de que os preços não estavam menores que os das grandes redes de supermercados.
Costumo frequentar o Varejão aos sábados onde encontro peixes de melhor qualidade.

  • Por: Angela Biesdorf
  • -
  • 18 de fevereiro de 2013 at 23:10

A feira das flores é maravilhosa.
Eu preciso ir na dos peixe,só não sei quais os dias?
Obrigada..

  • Por: Angela Biesdorf
  • -
  • 18 de fevereiro de 2013 at 23:13

A feira das flores é maravilhosa.
Eu preciso ir na feira dos peixe,só não sei quais os dias?
Obrigada..