Direto de Buenos Aires

Cocina Sunae – boa comida “caseira”

por Marcelo Barbão em

Existe uma tendência aqui em Buenos Aires que, pelo que sei, está apenas começando no Brasil: os restaurantes a “portas fechadas”. O que é isso? Em geral, são chefs que, por uma série de motivos, decidem não abrir um restaurante comum. Há muitos estrangeiros que preferem trabalhar assim, talvez pela questão do investimento, mas também porque com um restaurante a portas fechadas é possível ter um controle melhor sobre a qualidade dos pratos.

Eu já tinha ido em outro, chamado Mis Raíces (http://viajeaqui.abril.com.br/blog/direto-buenos-aires/mis-raices-alta-comida-judaica/), de comida judaica tradicional. Agora, depois de esperar durante todo o verão, já que a chef deve ter tirado férias e o restaurante não estava funcionando, consegui ir ao Cocina Sunae.

A chef, Christina Sunae (pronuncia-se “Suné” e está na foto de abertura desse post anotando os pedidos) é uma norte-americana de pais filipinos. Ela contou que trabalhou em Nova York sob a direção de uma velha cozinheira tailandesa que ensinou todos seus truques. O Cocina Sunae existe desde maio do ano passado e já ganhou fama sendo citado até em uma matéria do The Guardian de Londres.

Chegamos cedo e nos sentamos numa das duas mesas grandes que ela coloca em plena sala de sua casa. Como fomos os primeiros pudemos conversar um pouco com a Christina e seu simpático marido (um argentino). Para chegar lá é preciso marcar com antecedência (eles só trabalham com reserva e o máximo de 20 pessoas por noite) e apenas de sexta e sábado. Por isso, se quiser conseguir uma vaga é preciso ligar ou escrever logo na segunda ou terça, quando colocam no blog o menu da semana.

Para ver a diversidade – dentro da comida oriental – do menu, começamos com os Wontons chineses, aquelas empanadas fritas com carne de porco e de vaca. Estavam fritos no ponto certo.

Depois passamos para a salada – e aqui é preciso muito cuidado, garanta que seu copo de água está cheio – bastante picante com carne desfiada, cebola, cebolinha e menta.

Enquanto comíamos as entradas, experimentávamos algumas bebidas que também são receita da casa. Não vou me lembrar os nomes, mas o meu tinha vodka, gengibre e limão. O da minha esposa, mais doce, era à base de saquê.

Aí chegou a hora dos pratos principais. Para mim, Gaeng Gung, um prato tailandês de curry vermelho com frango, bambu, uvas e tomate, servido com arroz ao vapor. Para minha esposa, o famosíssimo Pad Thai, macarrão de arroz frito com camarões, molho de tamarindo, ovo, tofú e amendoim.

Os dois pratos estavam bastante bons, mas talvez minha expectativa estivesse um pouco alta demais. Eu preferi as entradas aos pratos principais. Mas toda a experiência de passar uma noite agradável (e é fácil começar a conversar com outras pessoas sentadas ali tão perto) vale muito a pena.

De sobremesa, um “puff” de banana com sorvete de chá verde, incrível.

O resultado final foi uma conta razoável de 230 pesos (jantar de 3 pratos + sobremesa para duas pessoas), bebidas e 1 taça de vinho. Recomendadíssimo.

Cocina Sunae

http://cocinasunaebuenosaires.blogspot.com/

O endereço é enviado depois de fazer a reserva, mas fica no bairro de Villa Ortuzar, perto do cemitério de Chacarita.

Deixe seu comentário
Nome
E-mail
Comentário (Seu comentário mínimo 5 caracteres )