Direto de Buenos Aires

E viva a Miga!

por Marcelo Barbão em

miga

Quando se fala em cozinha argentina, todos pensam em carne. Em segundo lugar, nas empanadas ou nos alfajores (dependendo do amor por doces). Quem conhece um pouco mais, sabe que existe o locro e outros pratos típicos. Talvez, pensando um pouco mais, lembrem das “facturas”, as deliciosas media lunas e por aí vai.

Só que um dos segredos mais bem divulgados daqui são os sanduíches de miga. Para quem não conhece, parece um sanduíche de pão Pullman comum. Não é. O pão usado para esses sanduíches é mais fino e mais saboroso (o que não é difícil, vamos ser sinceros), além de poder ser encontrado em diversos e deliciosos sabores.

O pão é cortado muito fino e é mais “aerado” que um pão de forma, tornando-o bem mais leve. Em geral, os sanduíches de miga são montados em camadas triplas (e se chamam, claro, “triples”): são três fatias de pão com dois recheios, às vezes iguais, mas também com combinações diferentes.

Alguns fanáticos afirmam que as medidas precisam ser exatas: 3 mm de espessura, 14 de cm de longitude e oito cm de largura. Em geral, eles são desse tamanho. Os sanduíches de miga também podem ser tostados transformando-os em (claro!)… tostados.

Eu prefiro ao natural e é minha comida favorita para o café da tarde. Para evitar engordar, também pode ser preparado com outro tipo de pão, parecido ao de centeio, que tem uma coloração mais perto do marrom. Cada bar e padaria de Buenos Aires pode criar sua própria combinação de ingredientes. Há lugares especializados em sanduíches de miga, onde é possível comprar grandes e pequenas quantidades, mas sempre “para levar”; em geral nesses lugares a quantidade de sabores é muito maior, com diferentes queijos, azeitonas, presuntos, vegetais, etc.

Não dá para vir a Buenos Aires e não experimentar (vários) sanduíches de miga.