Viajar Bem e Barato

Cias aéreas low-cost na Europa: começando do começo

por Rachel Verano em

No início da semana eu comecei a postar sobre as novidades nas rotas das companhias aéreas de baixo custo na Europa e logo pulei para um raio X da situação na Itália, com um panorama geral dos voos domésticos e internacionais. Mas, como tem muita gente me perguntando como a coisa funciona, vou dar um passinho atrás e explicar como é o maravilhoso mundo das viagens de avião baratas na Europa antes de seguir com mais detalhes sobre mais países. :-)

As cias aéreas low-cost começaram a surgir timidamente no final dos anos 80. Uma das primeiras foi a irlandesa Ryanair, hoje uma gigante que opera mais de 1.100 rotas para 253 destinos diferentes, em 26 países. Mas a coisa começou mesmo a pegar fogo no final dos anos 90, com o surgimento de concorrentes de peso (como a inglesa Easyjet, outra que está entre as maiores do mundo). Mas, afinal, o que são essas empresas?

As low-cost são cias aéreas que aboliram qualquer tipo de frescuras a bordo em busca de uma tarifa mais baixa para o passageiro. Por frescura entenda-se algumas frescuras de fato (lencinhos, balinhas, lanchinhos) e outras nem tanto assim (espaço confortável entre as poltronas, por exemplo, check-in de mala incluído etc). São como a Gol, a Webjet e a Azul, no Brasil, mas com um diferencial: na Europa elas são muito mais agressivas em termos de preços. Com a concorrência, o resultado foi ficando cada vez melhor. Hoje as cias aéreas de baixo custo voam para qualquer canto do continente e estão começando a colocar as asinhas para fora das fronteiras – já há voos para Israel, Marrocos, Rússia…

E é seguro voar com essas empresas? De maneira geral, não há nenhuma diferença entre elas e as cias aéreas mais tradicionais, a não ser no quesito “extras” (os mesmos citados acima). Elas geralmente usam aviões novinhos, não têm históricos de atrasos homéricos e costumam honrar com todos os compromissos com os passageiros, como as demais (até porque as leis que regulamentam o espaço aéreo europeu são as mesmas para todo mundo – e são severas).

Mas é preciso ter em mente alguns detalhes ao escolher uma cia aérea low-cost. Sim, é absolutamente normal você conseguir voar por menos de € 10 por trecho. Mas para que o barato não saia caro, é sempre bom saber que…

1. As bagagens despachadas podem ser cobradas à parte

2. Mesmo quando cobradas, as bagagens de porão não podem exceder o limite de peso (em geral, de 12 a 15 quilos)

3. Não existe “jeitinho” na hora de pesar a bagagem – é nessas horas que as empresas mais lucram. Qualquer quilinho a mais será computado e devidamente cobrado. Na brincadeira, despachar a bagagem pode sair fácil, fácil mais caro que a passagem. Conclusão: viaje leve

4. Não existe essa de dar uma de espertinho e deslocar o peso para a bagagem de mão – os atendentes costumam pesar a bagagem de mão também (os limites de pesos variam entre 5 e 10 quilos, dependendo da empresa)

5. Para conseguir as melhores tarifas, viaje no contra-fluxo. Segunda-feira à tarde é uma maravilha (você pode estar de férias, mas os europeus continuam trabalhando, e os voos de fim de semana são lotados e, claro, mais caro). :-)

6. Para saber das melhores ofertas, é fundamental cadastar-se nos mailings das empresas. Só assim você poderá participar de milagres como “voe por € 1 se reservar até a meia-noite de hoje”, por exemplo 

7. Muitas vezes essas empresas operam em aeroportos secundários. Na hora de dar a busca por um destino específico, é bom se informar antes. Por exemplo: você pode querer chegar em Barcelona, mas o aeroporto usado pela empresa pode ficar em Girona. De maneira geral, há transportes baratos até os principais destinos dos arredores, mas não custa computar os preços e as distâncias. 

Por fim, se você é novato no ramo e ainda está tendo dificuldades em se localizar, guarde três nomes: Ryanair, Easyjet e Vueling. Com essas três empresas você vai para praticamente qualquer canto. Mas é bom saber que este universo está cada vez mais gigantesco e irresistível. Com tempo, vale a pena chafurdar nas pesquisas…