Viajar Bem e Barato

Como levar dinheiro para o exterior?

por Rachel Verano em

A minha resposta hoje para esta pergunta é: não levar. Por um motivo muito simples. Hoje em dia praticamente todos os bancos permitem saques diretos da conta corrente e em moeda local, por tarifas que costumam ser bem baixinhas (e com o mesmo cartão e a mesma senha que usamos para saques no Brasil). Isso evita as taxas absurdas cobradas por certas casas de câmbio, as filas e o tempo perdido. Muito mais fácil é desembarcar, ir até um caixa eletrônico, colocar o seu cartãozinho e ter em mãos a moeda do país onde você acabou de pisar, com o débito direto na sua corrente. As taxas de câmbio costumam ser melhores do que as taxas do cartão de crédito. E a comodidade não tem preço.

Ontem mesmo eu marquei mais um ponto para esta minha teoria. Ao colocar os pés na Suécia, as casas de câmbio já estavam fechadas. E eu só tinha euros em mãos. Foi só achar um ATM e pronto, em segundos meu problema estava resolvido e eu tinha as minhas coroas em mãos (foto). Não precisei fazer cálculos de quanto comprar com antecedência, não precisei me programar para comprar traveller checks, não terei que pagar IOF e nem o câmbio desfavorável das conversões pro dólar e depois pro real do meu cartão de crédito.

Aliás, levar dinheiro em viagem costuma ser sempre motivo de dor de cabeça. Ok, não custa levar um pouco. Mas então que ele seja na moeda local. Chegar na Europa já com euros é uma coisa. Chegar com dólares, como eu já vi muita gente fazendo, é outra – é enfrentar as casas de câmbio, as taxas, blá blá blá. A mesma coisa vale para países que ainda não adotaram o euro por aqui – como a Suécia, onde estou agora. Em Praga, onde estive no mês passado, as casas de câmbio têm fama pior do que os motoristas de taxi de Atenas ou os trombadinhas do Rio. Não tem um guia sequer que não faça a advertência para evitá-las. O dono de uma loja me confirmou: eles costumam ficar com até 30% do valor! Um absurdo. E o caixa eletrônico dando sopa do lado…

Mas tem também outras maneiras interessantes. A Visa tem o Visa Travel Money, que funciona como dinheiro eletrônico. Você carrega um cartão com antecedência, antes de viajar, e pode usá-lo para fazer saques – em moeda local! – ou compras em lugares credenciados com a rede Visa Electron. Acabou? É só pegar o telefone e recarregar. O cartão de crédito também é uma mão na roda, mas vale lembrar que não dá para usá-lo o tempo todo e em todo lugar. É normal mercadinhos e lojas menores simplesmente não aceitarem. E tem ainda o traveller cheque, que eu particularmente acho mais seguro do que prático. Ok, vai ser difícil te roubarem. Mas você vai ter que encontrar um escritório ou agência bancária que troque sem as taxas (para não cair na mesma armadilha das casas de câmbio), e vai ter que ir trocando aos poucos (senão não teria sentido trazer assim, certo?).