Viajar Bem e Barato

De Roma a Milão de carro (ou vice-versa)

por Rachel Verano em

Promessa é dívida… Continuando o último post em homenagem ao Eduardo, à Ana, à Alessandra e à Ingrid, que vão para a Itália já, já, aqui  vai mais um pouquinho do país. 

Ir de Roma para Milão de carro (ou vice-versa) pode ser rápido e prático. São exatos 587 quilômetros de distância, que podem ser percorridos, com pressa, em menos de seis horas. Uma auto-pista segue que nem um tapete de ponta a ponta. Mas qual é a graça de pegar a A-1 e só parar no destino final? Nenhuma. O melhor da Itália está justamente neste trechinho. Ou melhor, neste trechão que liga as duas maiores cidades do país, estendendo-se de um oceano ao outro, com direito a muitas escapadas. :-)

O roteiro perfeito, na minha opinião, dura pelo menos 10 dias e tem algumas cidades-chave e muitas outras de brinde pelo caminho. Se fosse para traçar um plano (o que eu nem gosto muito…), eu diria que a base seria Roma – Florença – Bolonha – Veneza – Milão. Mas nunca em linha reta. E eu perderia a maior parte do tempo na Toscana, a minha região favorita na Itália.

Para começar, eu alugaria um carro para retirar no aeroporto, depois de já ter conhecido a cidade da chegada. Em Roma, no Fiumicino (e iria até lá de trem, desde a estação Termini, por € 9,50). Em Milão, no Malpensa (onde eu chegaria de ônibus, desde a estação central, por € 6). Isso porque, como eu já disse no post anterior, é extremamente complicado dirigir nas grandes cidades italianas. E os aeroportos já te jogam direto na estrada, sem complicações. Ah, uma dica: Auto Europe é meu pastor e nada me faltará. Desde que eu descobri este site de reservas de carro eu nunca mais me atrevi a alugar carro de outra forma. Eles conseguem tarifas absurdas – até € 12 por dia! – nas locadoras tradicionais, que te cobrariam facilmente 5 ou até 10 vezes mais numa reserva direta. Não me pergunte como. Mas é fato e eu sou a prova viva de que a coisa funciona bem (escolha um carro com reembolso de franquia, assim não precisa se preocupar com o seguro total, que acaba encarecendo demais a reserva).

Depois é só cair na estrada!

As cidades e cidadezinhas mais encantadoras que eu já encontrei por este caminho (além das principais, acima) foram:

TOSCANA
- Montepulciano, com o seu centro histórico todo de pedra e becos tortuosos, e o lindo Tempio di San Biaggio, melhor ainda visto da estrada que segue para Pienza

- Pienza, que segue como uma miragem do meio da estrada, com o seu casario em pedra escura e um ar soturno

- Monticiello, onde se pode contar os habitantes com os dedos de uma mão, e onde a estradinha de acesso revela uma das mais lindas e típicas paisagens toscanas, com milhares de ciprestes enfileirados, girassóis e campos de feno

- Montalcino, a terra de um dos melhores vinhos da Itália (o Brunello de Montalcino), erguida no alto da colina forrada de vinhedos, com menos de 5 mil habitantes e deliciosas enotecas para degustar a bebida "da casa" na praça principal

- Cortona, a cidade de "Sob o Sol da Toscana", eleita pela escritora americana Frances Mayes

- Siena – tive a sorte de estar lá durante o Palio, uma das corridas de cavalo mais antigas do mundo, realizada da mesma forma desde o século 13 na espetacular Piazza dei Campi, que só deixou toda a cidade mais mágica

- Castiglione della Pescaia, onde a Toscana encontra o mar, linda e bucólica como o interior, mas com aquela marzão azul ali na frente

EMÍLIA-ROMANHA
- Bolonha, para se perder por suas calçadas elegantes e cobertas

- Modena, para provar o verdadeiro aceto balsamico e assistir o vai-e-vem de pessoas elegantes de bicicleta pelo centro, além de visitar feiras coloridas e dar uma escapada a Maranello, a menos de 20 quilômetros, para conhecer o Museu da Ferrari (com direito ao barulho dos motores ao vivo, vindo da pista de treino da escuderia, logo ao lado)

- Parma, para provar o verdadeiro presunto e o queijo parmigiano reggiano, além de caminhar pelo centro histórico e fazer um piquenique no parque, à beira do lago.

Quem tiver ainda mais tempo pode explorar as cidadezinhas nos arredores de Veneza, como Verona, Padova e Treviso; ou o litoral da Ligúria, já quase em Milão, especialmente se estiver calor. Ali, além de Cinque Terre, vale a pena conhecer Portovenere, Santa Maria Lighure e Portofino (ainda que por curiosidade…).

Eu ainda anotaria três estradas na agenda, que entregam de bandeja o melhor da Toscana:

- a S-222, ou Chiantigiana, que liga Siena a Florença cortando os vinhedos de Chianti e passando por vilas e castelos lindos
- a 71, entre Cortona e Arezzo, que tem os mais lindos campos de girassóis que eu já vi, nos meses do verão (a partir de junho)
- a estrada panorâmica (foto) que corre junto à principal que liga Montepulciano a Pienza, e de lá a estradinha que leva a Montalcino (é só seguir as placas)

Uma observação: se Veneza estiver nos planos, o melhor é repensar o aluguel do carro. Para quem começa a viagem em Milão, o melhor pode ser ir até lá de avião (veja as tarifas mais baixas no Atrapalo) ou de trem. E só lá alugar o carro (não vale a pena ter um carro fechado num estacionamento pagando diárias absurdas e com utilidade zero). Para quem sai de Roma, o melhor é entregar o carro lá. E seguir até Milão de avião ou trem.

Alguém tem um pit-stop interessante para sugerir?

Comentários (63)
Deixe seu comentário
Nome
E-mail
Comentário (Seu comentário mínimo 5 caracteres )

  • Por: Catia
  • -
  • 16 de abril de 2014 at 1:59

boa noite Raquel esse roteiro acima da Toscana foi muito útil , só queria saber se tem como dizer as distancias entre os locais e onde se hospedar

  • Por: Adriana
  • -
  • 26 de março de 2014 at 17:57

Boa noite! O que vc quis dizer com reembolso de franquia? Vou alugar o carro saindo de roma. será que posso devolver em florenca ou milao?
obrigada!

  • Por: Marcelo
  • -
  • 8 de janeiro de 2014 at 22:42

Oi Rachel, vou fazer a mesma viagem que a Luciana abaixo, só que no sentido contrário. Se der para ajudar agradeço.