Buenos Aires

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 

Ver outros destinos em Argentina »

No começo do século 20, a Argentina era um dos países mais ricos do planeta, e Buenos Aires, o porto pelo qual entravam e saíam produtos que geravam essa imensa riqueza.

Junto às antigas docas encontram-se duas das atrações mais importantes da cidade, o hoje sofisticado Puerto Madero e o bairro de La Boca, com o inconfundível Caminito e o histórico estádio La Bombonera.

Uma das consequências mais claras da pujança econômica portenha fica clara em seu perfil urbano monumental, repleto de parques bem planejados, edifícios burgueses em estilo neoclássico e agradáveis ruas arborizadas.

A isso ainda foram somados teatros belíssimos, como o Colón, junto à ampla Avenida Nove de Julio, e uma miríade de cafés que traziam reminiscências de Paris, palco de acalorados debates intelectuais.

+ Atrações em Buenos Aires

Outro hábito que mistura gastronomia com excelentes conversas manteve-se em torno das mesas de seus restaurantes, sejam em casas que servem a clássica parrillada - o variado churrasco local, opções de pasta que não se encontram fora da Itália, empanadas divinas ou um dos mais cremosos sorvetes que você terá a benção de experimentar.

Tamanha variedade também encontra-se nas opções de compras. Em Palermo, há ateliês sofisticados com objetos de design arrebatadores. Em grandes centros, como as Galerias Pacífico, você encontra as grandes marcas. E em livrarias como a espetacular El Ateneo Grand Splendid você terá o melhor da literatura ibero-americana. Tudo a preços provocadoramente atraentes.

Mas não é só isso. Buenos Aires é fácil de ser explorada a pé ou com táxi. Aproveite para se perder por suas ruas e deparar-se ora com praças com lindos gramados ora com edifícios históricos como a Casa Rosada e a Catedral Metropolitana.

Estarão lá também lojinhas simpáticas em San Telmo, ricos museus como o Malba ou cemitérios como o da Recoleta, onde repousa Evita. E, sem deixar de lado a paixão que nos une, não deixe de ir ao derby River-Boca e compreender o que é paixão desmedida.

+ Veja fotos de Buenos Aires

EXPERIÊNCIAS ESSENCIAIS

• Uma caminhada despreocupada por Puerto Madero.

• Comer uma empanada do El Sanjuanino.

• Se perder nas prateleiras do El Ateneo Grand Splendid.

• Tomar um café com torta e doce de leite em Palermo.

• Comer as excelentes carnes das casas especializadas da cidade. Acompanhado de um Malbec, é claro.

• O River que nos desculpe, mas é essencial assistir a uma partida do Boca Juniors no La Bombonera.

COMO CHEGAR

De avião:

Há voos diretos do Brasil pela Gol e TAM, a partir de São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis, Porto Alegre e Salvador.

A maioria dos aviões que saem do Brasil pousa no Aeroporto Internacional de Ezeiza, a cerca de 45 minutos do centro de Buenos Aires.

Ali há táxis, micro-ônibus e ônibus – a linha 8 vai para o Centro, mas é demorada e funciona somente até as 23 horas.

Os voos domésticos argentinos (para Bariloche, por exemplo) e boa parte das aeronaves da Aerolineas Argentinas que partem do Brasil, pousam no Aeroparque Jorge Newberry, a 15 minutos do centro de Buenos Aires.

A TAM e a Gol também estão autorizadas a operar voos regulares para o Aeroparque. A taxa de uso aeroportuário, antes paga separadamente no embarque da volta, agora está incluída no preço da passagem.

Quanto à bagagem, Gol e TAM aceitam até 23 kg na classe econômica, enquanto a Aerolineas Argentinas a limita a 20 kg – as três permitem até 5 kg na bagagem de mão. A chilena LAN, que também permite o embarque de até 23 kg no bagageiro, é mais liberal com as malas de mão – permite que o viajante porte até 8 kg.

De carro:

Há inúmeros – e longos – caminhos para quem pretende chegar à capital argentina. Partindo de São Paulo, por exemplo, é possível seguir para Paraná pela BR-369, passando por Londrina e Maringa até a chegar a Foz do Iguaçu. Próximo às três fronteiras (Brasil, Argentina e Paraguai), atravesse para a terra de Maradona e contineu pela Rota 12, e, depois, pela 14 até Buenos Aires – o trajeto totaliza 2350 km.

Outra opção: vá pela BR-116 até Pelotas (RS), pegue a BR-471 em direção a Chuí (cidade na fronteira com o Uruguai) e siga até Montevidéu. Lá, vá ao porto e tome uma balsa até Buenos Aires (três horas de viagem, a partir de AR$ 401) ou continue pelos 180 km de estrada até Colonia del Sacramento para pegar uma balsa rápida (uma hora) ou lenta (três horas) – quem opera as confortáveis embarcações é a empresa Buquebus. Dica: o site argentino Ruta 0 traça rotas e calcula pedágios, tempo de viagem e gastos com combustível pelas estradas argentinas.

Sobre as leis de trânsito: para dirigir na Argentina, basta apresentar a habilitação brasileira. O documento do veículo deve estar em nome do condutor ou de um dos viajantes – caso contrário, é preciso ter uma autorização do proprietário com firma reconhecida em cartório. Também é obrigatório ter a Carta Verde (seguro para quem transita pelo Mercosul), comprada no Banco do Brasil, no HSBC ou nas seguradoras. Além dos acessórios de praxe, equipe seu porta-malas com cabo de aço para reboque, kit de primeiros socorros e um triângulo de sinalização extra.

De ônibus:

O trajeto desde o Terminal Rodoviário Tietê, em São Paulo, com paradas em cidades do sul do país, dura cerca de 36 horas. Feita em ônibus executivo, a viagem é longa, cansativa e não exatamente barata. É possível comprar bilhetes na Pluma e na Crucero del Norte. O destino final é o Terminal de Ómnibus de Retiro (Avenida Antártida Argentina, esquina com Calle 10, Retiro), a principal rodoviária de Buenos Aires.

De navio:

Muitos navios que vêm à América do Sul no verão param na capital argentina. As companhias Costa Cruzeiros, MSC, Royal Caribbean e CVC oferecem itinerários que partem do Brasil e incluem a cidade. Os cruzeiros são uma ótima forma de chegar à cidade ou sair dela – caso você planeje fazer compras, boa notícia: o limite de bagagem é maior que no avião (que pode chegar a 90 kg). A Estação Portuária (Avenida Argentina, 821, Puerto Madero) tem 7 mil metros quadrados e um centro com lojas e bares – só a sala de pré-embarque acomoda mil passageiros.

HOTÉIS EM BUENOS AIRES

A rede hoteleira de Buenos Aires abarca centenas de endereços, de hotéis de luxo a albergues descolados. Na hora de decidir onde ficar, o primeiro passo é escolher a localização: no Centro, você está perto das principais lojas de roupas e acessórios, mas a maioria das hospedagens sofre com a falta de atualização dos ambientes. A Recoleta concentra as lojas de grife e os hotéis mais luxuosos. E San Telmo ganhou fama pelos albergues.

Depois, vale conhecer dois conceitos muito utilizados na capital argentina: os hotéis-design ou de diseño, que exibem decoração contemporânea e um serviço mais atencioso; os hotés-butique geralmente ficam casarões históricos nas ruas de Palermo Soho e Hollywood, têm móveis charmosos, serviço personalizado e não mais que 40 quartos.

Por fim, verifique se na sua diária já está incluído um imposto chamado IVA – ele incide em 21% sobre o valor da tarifa.

RESTAURANTES E CENA GASTRONÔMICA EM BUENOS AIRES

Comer uma parrilla é parte fundamental da visita a Buenos Aires. Você dificilmente vai provar uma carne como a servida na Argentina, muitas vezes com um custo-benefício inacreditável (mesmo considerando a alta inflação que atingiu o país nos últimos anos).

Nas casas especializadas, é comum ver brasileiros se fartando – e harmonizando a refeição com vinhos de ótimo preço. Mas nem só de parrilla vive a capital, que também brilha em outros tipos de cozinha. Espanha e França, curiosamente, estão mais bem representados que Itália, berço da maior colônia de imigrantes do lugar (em compensação, é italiana a receita do ótimo sorvete, feito com leite de gado europeu).

Outra influência gastronômica é a andina – prova disso são os bons restaurantes peruanos. E nas casas de comida contemporânea, você confere o trabalho de chefs pra lá de inventivos.

Entre os quitutes locais, dois não podem ficar de fora de sua viagem. O doce de leite, que pode vir in natura ou dentro de alfajores, e as empanadas, que substituem de forma rápida e econômica uma refeição.

Palermo Soho, radar das novidades, tem ambientes descolados. A Recoleta, com seus hotéis de luxo, é destino para quem quer sofisticação. E as varandas de Puerto Madero, onde o português parece ser o idioma oficial, têm as melhores vistas entre os restaurantes portenhos.

Leia mais:

Um roteiro de 48 horas por Buenos Aires

Guia de viagem: Argentina

Veja um roteiro para curtir Buenos Aires com crianças

Informações ao viajante
  • Peso argentino
  • 0800-9995500
  • Não é necessário.
  • Para entrar na Argentina, nenhuma vacina é obrigatória.
  • SHIS, QL 2, conjunto 1, casa 19, Brasília (DF)
    (61) 3364-7600
Comente