Maceió

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 
PREVISÃO DO TEMPO

Fonte: Climatempo
  • turismo.maceio.al.gov.br
  • 932.608 hab
  • 82
  • Alagoas

  • Recife, 266 km, Aracaju, 283 km, Salvador, 604 km, Brasília, 1973 km, Rio de Janeiro, 2135 km, São Paulo, 2444 km

Maceió é a capital com a orla urbana mais bonita do Nordeste. O melhor trecho é a trinca formada por Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca. Ali, o mar esverdeado compõe a paisagem com piscinas naturais, as melhores barracas para comer sururu, bons hotéis, restaurantes estrelados e um calçadão repleto de esportistas. À noite o movimento não cessa: sob o ritmo de bandas e música eletrônica, as principais cabanas de praia da cidade, Lopana e Kanoa, em Ponta Verde, ficam lotadas. Longe do Centro, a costa de Maceió tem praias ainda mais belas – e tranquilas. Pratagi e Ipioca estão ao norte, seguindo pela BR-101. No sentido contrário, no caminho para o litoral sul do estado, o Pontal da Barra recebe apreciadores do tear, que compram as peças direto dos artesãos.

COMO CHEGAR

O Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, a 25 km da orla urbana, recebe voos de capitais. De lá parte um circular (Tropical 82/3354-2043, R$ 2,30; saídas diárias, de segunda a sexta-feira, a cada 30 minutos, sábado e domingo, a cada hora) para Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca. Táxis cobram R$ 50, em média, pela viagem. Quem vem de ônibus chega ao Terminal Rodoviário João Paulo II, perto do Centro. De carro, a Rodovia BR-101 (está em duplicação) liga Maceió a Aracaju, Recife, João Pessoa e Natal.

COMO CIRCULAR

Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca podem ser exploradas a pé, mas há ônibus urbanos que percorrem as avenidas que ligam as três praias. No caso das mais afastadas, como Ipioca e Pratagi, recomenda-se o aluguel de um carro ou contratar o serviço de turismo de alguma das vans do calçadão de Pajuçara. Para conhecer a Rua das Rendeiras vale esperar por um ônibus circular em direção ao Pontal.

ONDE FICAR

As praias Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca concentram as principais hospedagens. Os hotéis não ficam na areia, mas estão a poucos passos da orla. Ao redor, há bons restaurantes e barracas de praia. Se quiser fugir do movimento, procure as pousadas nas praias de Ipioca e Pratagi.

ONDE COMER

A maior parte dos restaurantes de Maceió está nos bairros de Jatiúca, Ponta Verde e Pajuçara, como o estrelado Wanchako, um dos melhores de cozinha peruana do Brasil. A capital conta ainda com outro estrelado, o Divina Gula, que mescla as culinárias mineira e nordestina. A principal novidade é o Espaço Gourmet Vera Moreira, com menu-degustação renovado a cada semana.

Comida típica

Sururu – O molusco, também conhecido como siriri, tem no máximo, 2 cm, vive na lama das lagoas e é fonte de renda para as famílias da região. Nas mesas da cidade, é servido como couvert (com leite de coco) ou entradinha (o de capote é cozido com leite de coco, molho de tomate, pimentão, coentro, cheiro-verde, azeite, cebola e alho), ou em pratos com peixe. Os caldinhos também são muito populares.

SUGESTÕES DE ROTEIROS

3 dias – Visite as três praias centrais: Jatiúca, Ponta Verde e Pajuçara. A Feira de Artesanato de Pajuçara, aliás, fica próxima do ponto de partida para as piscinas naturais. Não deixe de apreciar o artesanato local na Rua das Rendeiras. Por fim, vale provar a culinária do estrelado especializado em cozinha nacional, o Divina Gula.

5 dias – Aproveite que tem mais tempo para passear pelo norte do estado, cujo acesso é pela AL-101. A primeira parada é a Praia de Carro Quebrado, na Barra de Santo Antônio, a menos de 50 km de Maceió. Depois, siga para São Miguel dos Milagres, uma vila de pescadores a 106 km de Maceió, e vá à praia cinco-estrelas do Patacho. Em Maragogi, a 140 km, estão as piscinas naturais conhecidas como Galés (mergulhe para ver os peixes coloridos).

10 dias – Dá para fazer o passeio de barco até a foz do Rio São Francisco, que parte do litoral sul do estado. No caminho até Piaçabuçu, de onde parte o passeio, estão as praias do Francês e do Gunga, em Barra de São Miguel. Lá, também vale fazer o passeio até a Vila Palateia ou almoçar no restaurante estrelado Kaamo. De volta a Maceió, vá ao estrelado peruano Wanchako.

QUANDO IR

A alta temporada é no verão, quando a cidade fica movimentada e mais cara. De maio a julho, as temperaturas continuam altas, mas chove muito. Os passeios às piscinas naturais são alterados de acordo com a tábua de marés.

Comente