Porto Seguro

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 
PREVISÃO DO TEMPO

Fonte: Climatempo
  • portosegurotur.com.br
  • 126.770 hab
  • 73
  • Bahia

  • Eunápolis, 60 km, Itabuna, 267 km, Teófilo Otoni, 494 km, Vitória, 591 km, Salvador, 722 km, Rio de Janeiro, 1110 km, São Paulo, 1487 km

Porto Seguro é uma cidade democrática e por isso recebe multidões o ano todo. Só no verão, estima-se que 400 mil visitantes desembarquem ali para aproveitar suas famosas e imensas barracas à beira-mar. Infraestrutura e diversão não faltam, seja para famílias com crianças, grupos de jovens e, sim, até para quem busca sossego. Que não é o caso dos milhares de estudantes de ensino médio que todo ano, entre outubro e novembro, invadem a cidade para comemorar antecipadamente formatura e férias. Eles têm na ponta da língua os nomes Axé Moi, Barramares e Tôa Tôa, entre outros, os mais conhecidos complexos que se revezam a cada noite em baladas movidas a axé music e capeta (um explosivo drinque feito de vodca e guaraná em pó, entre outros ingredientes). O esquenta tem início na auto-explicativa Passarela do Álcool, onde se alinham bares, barraquinhas e restaurantes. Mas Porto Seguro é famosa também pela história. Na parte alta da cidade há casas dos séculos 16, 17 e 18 feitas de pedra, cascalho e óleo de baleia, a antiga prisão e a prefeitura e ruínas da primeira igreja construída no Brasil. A bem conservada Igreja Matriz Nossa Senhora da Pena começou a ser construída em 1730 e guarda uma imagem de São Francisco de Assis do século 16, a primeira trazida ao Brasil. Fundada em 1534, Porto Seguro é eclética também no quesito praias. Taperapuã é a mais procurada na orla de 25 quilômetros de águas azuis e calmas. Seu contraponto é Mutá, sem vendedores ambulantes nem axé music, e onde ficam os melhores quartos da cidade, no La Torre Resort. Na divisa com Santa Cruz Cabrália está Coroa Vermelha, onde uma cruz indica o local da primeira missa rezada no Brasil. É uma praia limpa que, na maré baixa, forma piscinas naturais. Pode chegar, que Porto Seguro tem um lugar para você.

ONDE FICAR

A maioria dos hoté está à beira-mar. Para dividir um espaço na areia com menos banhistas, vale ficar nos hotés da Praia do Mutá. Se a ideia é ver gente e dançar ao som de axé, seu lugar é Taperapuã. Mas também dá pra fugir do agito. Nos resorts sobre a falésia, como o Xurupita e o Vela Branca, o clima de privacidade predomina - isso sem falar da vista para a cidadde. Uma dia: entre junho e setembro as diárias caem pela metade e o sol ainda ilumina os viajantes. 

COMO COMER

No centro estão dois restaurantes da cidade, Casa da Esquina e Casa Dedo de Moça, que se sobressaem praticando uma cozinha mais inventiva do que a média. A região central abriga ainda um leque variado de opções, como pizza, comida japonesa e bufê por quilo. Na Praia do Mutá ficam as barracas Cabana Goiana e Recanto do Sossego, que servem peixes, camarões e lagostas frescos. 

COMO CHEGAR

O aeroporto da cidade é a porta de entrada para quem segue para a maioria das cidades do sul da Bahia. Fica na parte alta do município, a 5 minutos de táxi (R$ 15) ou ônibus (R$ 2,25) do Centro, e recebe voos nacionais e até internacionais. De carro, a partir do sul ou do norte, é preciso pegar a BR-101 e, na cidade de Eunápolis, sair na BR-367 para rodar mais 62 km. Quem vem de Salvador pode pegar o ônibus da Viação Águia Branca (4004-1010), com saídas diárias (R$ 150,80). 

COMO CIRCULAR

As ruas do Centro podem ser facilmente exploradas a pé. Carro ou ônibus são necessários para ir às praias do norte – Mundaí, Taperapuã ou Mutá. Se estiver ao volante, atenção redobrada na Avenida Beira-Mar, que percorre as praias: o trânsito de pedestres, a circulação de ônibus de excursão e o entra e sai de veículos dos hotéis é constante a qualquer hora do dia e da noite. O caminho pode ser feito de táxi ou de ônibus: há os intermunicipais (R$ 3,50), que rodam 24h por dia, e os da Viação Brasileiro (3281-5430). 

SUGESTÕES DE ROTEIROS 

2 dias - Não há opção de lazer que supere a praia. Em Taperapuã, você curte as megabarracas ao som de axé. Já a Praia do Mutá é o destino certo para quem quer relaxar ao sol, caminhar na areia e almoçar à beira-mar: lá estão os restaurantes-barracas Recanto do Sossego e  Cabana Goiana. À noite, o passeio mais tradicional é a Passarela do Álcool, onde há bares e lojinhas para comprar artesanato, cocadas e chocolates caseiros. 

4 dias - Uma vez na costa onde o Brasil foi oficialmente descoberto, nada mais justo que conhecer mais da história do país na Cidade Alta, onde foram fundadas as primeiras igrejas em território nacional. Para uma imersão ainda mais profunda, vá ao Memorial da Epopeia do Descobrimento. Na Reserva Pataxó da Jaqueira, pode-se conhecer a cultura de uma tribo indígena. Para curtir outras belas praias, a dica é cruzar o Rio Buranhém e ir a Arraial D'ajuda.

7 dias - Com mais tempo, vale descer ao sul e curtir o charmoso Quadrado, em Trancoso, e a Praia do Espelho, uma das poucas praias cinco-estrelas do GUIA QUATRO RODAS. Ou então, pegar a balsa ao norte e seguir rumo Santo André para passar o dia na praia de mesmo nome ou na linda Praia das Tartarugas. Aproveite as noites apra curtir as festas, que, a cada dia, ocorrem em uma megabarraca diferente. 

QUANDO IR

Faz sol o ano todo, mas as chuvas são mais intensas de março a maio. O verão é época de badalação, assim como julho e outubro, quando vêm as turmas em formatura. A cidade fica mais tranquila em setembro e novembro. 

VIDA NOTURNA

Toda noite tem festa em Porto Seguro. e eles ocorrem a cada dia da semana em um lugar diferente - geralmente em barraca de praia. Os ritmos vão do sertanejo ao eletrônico - com destaque, claro, para o axé e seus dançarinos, que ensinam coreografias. No verão e entre julho e outubro, época das excursões de formatura, as baladas se organizam da seguinte maneira: segunda é dia de lual no Axé Moi; às terças e quintas, as festas ficam entre a Transivânia, com a temática de terror, e o lual do Tôa Tôa; o Barramares, às quartas, promove até a encenação de um casamento cigano; nas sextas, o agito vai para a Ilha dos Aquários, festa que se repete aos domingos; aos sábados, o Bombordo, no Centro,  e o Boca da Barra, em Curuípe, dividem as atenções. A maioria dos lugares fica ao longo da avenida Beira-Mar (onde circulam ônibus até de madrugada). Para a ilha dos Aquários, deve-se pegar o barco no Rio Buranhém, perto do Centro. Você pode confirmar a programação e os endereços e comprar o ingresso no seu hotel.