Curitiba

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 
PREVISÃO DO TEMPO

Fonte: Climatempo
  • viaje.curitiba.pr.gov.br
  • 1.848.946 hab
  • 41
  • Paraná

  • Florianópolis, 297 km, São Paulo, 411 km, Porto Alegre, 714 km, Rio de Janeiro, 862 km, Belo Horizonte, 1013 km, Brasília, 1402 km

A capital do Paraná é para ser curtida a pé, afinal são mais de 30 praças e parques, sendo o mais bonito o Tanguá, construído em uma pedreira desativada. O total de área verde da cidade impressiona, justificando o seu tom europeu – some-se a isso um trânsito bem delineado, um transporte público modelo e um frio carregado no meio do ano. Agasalhe-se e curta feirinhas como as do Largo da Ordem e da Praça da Espanha. Cartões-postais não faltam, como o Teatro Ópera de Arame, o Museu Oscar Niemeyer e o Jardim Botânico. A vida boêmia tem bares que servem cervejas artesanais, e a conhecida cena gastronômica ganhou sete restaurantes no GUIA BRASIL 2015. São eles o italiano Ernesto Ristorante, no bairro das Mercês, Madero Durski e Salumeria, ambos na Avenida Jaime Reis. No Batel, surgem o estrelado Corrientes 348, MBBrasserie, Pobre Juan e Poco Tapas, com sua cozinha molecular.

COMO CHEGAR

O Aeroporto Afonso Pena fica no município de São José dos Pinhais, a 18 km do Centro de Curitiba – um táxi para fazer esse trajeto custa, em média, R$ 50. Para economizar um pouco, pegue um dos ônibus executivos no aeroporto (R$ 8, confira o site) ou um “ligeirinho”, como é conhecido o ótimo ônibus comum (R$ 2,70, saídas a cada dez minutos da estação-tubo que fica ao lado do estacionamento). Eles fazem paradas na rodoferroviária, na região central de Curitiba, perto de hotéis (e aonde chegam ônibus interestaduais). Para quem vai de carro, o acesso é pela BR-116 (de São Paulo ou Porto Alegre), pela BR-277 (do litoral ou de Foz do Iguaçu) e pela BR-376 (de Ponta Grossa ou Joinville).

COMO CIRCULAR

No Centro, prefira chegar a pé ou de táxi (há poucas vagas para estacionar). Caso o deslocamento seja maior, use os ônibus, que fizeram de Curitiba um modelo internacional de transporte público. Presentes por todos os lados, os “tubos” são estações de integração em que dá para trocar de veículo sem pagar nova passagem. As avenidas Visconde de Guarapuava e 7 de Setembro ligam a região central ao Batel, onde está a maioria dos hotéis e restaurantes. Os parques ficam mais afastados (mas ciclovias interligam todas as áreas verdes). Para quem está sem carro, uma opção grátis é o Leva e Traz, serviço de vans que busca o cliente na porta do hotel e o leva até alguns restaurantes.

UM DIA PERFEITO

Comece com um café da manhã recheado de produtos orgânicos no Mercado Municipal. Invista o tempo que sobrar da manhã para conhecer a estufa de vidro e o museu do Jardim Botânico. Almoce no Vindouro, um dos estrelados que abrem durante o dia. À tarde, confira o Museu Oscar Niemeyer, e pare, ali mesmo, no Mon Café. De lá, passeie em meio às árvores do Bosque Do Papa até as casinhas de madeira que abrigam o Memorial da Imigração Polonesa e uma loja de artesanato. Reserve uma mesa no contemporâneo Manu para o jantar.

O GUIA RECOMENDA

Três dias - Gaste um dia inteiro no Passeio de Trem Pela Serra do Mar. O comboio atravessa uma área preservada de Mata Atlântica, passando por pontes e túneis. Na volta à capital, feche o dia com o expresso e as comidinhas do Lucca Cafés Especiais. Na manhã seguinte, visite o belo Teatro Ópera de Arame e siga para o Parque Barigui, um dos maiores da cidade. No almoço, coma em um dos restaurantes italianos do tradicional bairro Santa Felicidade. Aproveite o fim de semana para conhecer o Centro Histórico, repleto de atrativos como o Solar do Rosário, Solar do Barão e o Memorial Árabe. Depois, vale garimpar (ou namorar) as antiguidades da Feirinha da Praça da Espanha. No jantar, aposte no Corrientes 348.

HOTÉIS

O turismo de negócios movimenta os hotéis durante a semana, quando as diárias são mais caras – nos fins de semana, os preços despencam. O cenário muda nos meses de férias escolares, e principalmente em dezembro, no Natal. Todas as hospedagens têm internet, mas o estacionamento é cobrado na maioria delas.

ONDE COMER

A cena gastronômica local anda agitada, com a abertura do MB Brasserie (da chef Manu Buffara, do estrelado Manu) e a fusão do Durski e Madero no agora novo Madero Durski. Embora presente em vários bairros, os melhores restaurantes e bares estão em maior quantidade nos bairros Batel e Centro, onde o movimento é grande, especialmente no período noturno.

NOITE

Nas quartas-feiras, o James Bar ferve ao som de indie rock. Para ouvir black music ao som de DJs, siga direto para o Paradis Club, em São Francisco (3156-3955). Outra pista animada no Centro é a do Vox (3233-8908), com música eletronica.

PROGRAME-SE

As diárias são mais baixas nos meses de férias escolares, quando o fluxo de negócios diminui. Em dezembro, o movimento cresce por causa do evento Capital do Natal. No mês de março, visitantes lotam os hotéis para o tradicional Festival de Teatro.

 

(Por Ian Pellegrini Montes)

Comente