Foz do Iguaçu

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 
PREVISÃO DO TEMPO

Fonte: Climatempo
  • www.pmfi.pr.gov.br/turismo/
  • 263.782 hab
  • 45
  • Paraná

  • Cascavel: 141 km; Guaira: 233 km; Maringá: 411 km; Curitiba: 648 km.

O avião que corta o céu paranaense já mostra todos os sinais da “Torre de Babel” que é a Tríplice Fronteira (Brasil, Argentina e Paraguai). Com tantos estrangeiros a bordo, o inglês praticamente rivaliza com o português como “idioma oficial” do voo.

Segundo o Parque Nacional do Iguaçu, o número de visitantes estrangeiros em 2013 foi de 49% – turistas longínquos de Benim (na África), Nauru (na Oceania) e Palau (na Micronésia), por exemplo, passaram pelas catracas, não só do lado brasileiro como também do argentino, para se impressionar com o conjunto formado por um cânion e suas 275 quedas-d’água, uma das Sete Novas Maravilhas da Natureza.

O dia 9 de junho de 2014 fez história em Foz. Nessa data, o volume de água nas cataratas chegou a 46 milhões de litros por segundo, número jamais alcançado desde que o índice passou a ser medido – a vazão normal é de 1,5 milhão de litros por segundo.

Mas a visita à região vai bem além das Cataratas. Os restaurantes de Puerto Iguazú servem ótimas carnes, Ciudad del Este é famosa pelas compras com preços módicos e Foz conta com o gigantismo da Usina Hidrelétrica de Itaipu e o exótico Parque das Aves.

Quando ir

Visitar as Cataratas é incrível em qualquer época do ano. Mas vale consultar o calendário lunar e agendar sua viagem para uma data com lua cheia – quando os parques brasileiro e argentino promovem luaus nas passarelas, com vista para as quedas.

As principais atrações de Foz do Iguaçu

O lado brasileiro das Cataratas oferece a melhor visão das quedas, que, em sua maioria, ficam na Argentina. Então, madrugue e embarque em um dos coloridos ônibus que ligam a portaria do Parque Nacional do Iguaçu ao início das trilhas.

Leva-se pouco mais de uma hora para percorrer as passarelas. Depois, um dos passeios mais bacanas é o Macuco Safári. No Parque Nacional Iguazú, no lado argentino, a atração é o Gran Aventura, que navega até a Garganta do Diabo.

Fora dos parques nacionais há atrações bacanas para a família, como o Parque das Aves, que reúne mais de 150 espécies de pássaro; a Usina Hidrelétrica de Itaipu, com sua barragem de 196 metros de altura; e o Vale dos Dinossauros, aberto em 2014, com 20 réplicas de dinossauros (bonecos animatrônicos gigantes) que simulam os movimentos e ruídos daqueles animais.

Vale ainda conhecer o Templo Budista (Rua Dr. Josivalter Vila Nova, 99; grátis) e a Mesquita Omar Ibn Al-Khatab (Rua Meca, 599; grátis). Na Argentina, dá para se divertir no Casino Iguazú, que tem 34 mesas de jogo e shows de tango às sextas-feiras.

Hotéis em Foz do Iguaçu

O perfil de hospedagem em Foz do Iguaçu é bem definido. Ao longo da Rodovia das Cataratas e na saída para Cascavel estão os hotelões com ampla área de lazer, ideais para famílias.

No Centro, as opções são mais voltadas ao público executivo. Para quem busca hospedagens econômicas, Foz tem um bom número de hostels – seja no Centro ou próximos à entrada do Parque Nacional.

O elegante Belmond Hotel das Cataratas é o único hotel dentro do Parque Nacional do Iguaçu. O Wish Resort também tem quartos confortáveis, além de campo de golfe e arvorismo. Para uma estada econômica, a dica é o Iguassu Express e o moderno Tetris Container Hostel, com quartos privados e coletivos.

Restaurantes em Foz do Iguaçu

Delícias da culinária árabe podem ser provadas no Castelo Libanês (Rua Vinícius de Morais, 496), que prepara as receitas seguindo os preceitos islâmicos.

Para massas, boa pedida é o La Máfia Trattoria (Rua Watslaf Nieradka, 195), com decoração à la O Poderoso Chefão. Cada um dos cinco salões repletos de referências da sétima arte exibem um diferente DVD musical, enquanto os clientes provam a massa. Espere almoçar ao lado de Don Corleone, Tony Montana e outros mafiosos. 

No Taj (Rua Marechal Floriano, 799), vale pedir um drinque para acompanhar os pratos de inspiração asiática e curtir a playlist do DJ depois das 20h.

Do lado de lá da Ponte Tancredo Neves, em Puerto Iguazú, na Argentina, ficam os melhores endereços para saborear carnes. Entre eles, o La Rueda (Avenida Córdoba, 28). 

A influência do outro país vizinho está presente na sopa paraguaia (que na verdade é uma torta) e na chipa (espécie de pão de queijo), ambas encontradas em padarias e lanchonetes de Foz.

Compras

Em Ciudad del Este, no Paraguai, as melhores lojas se concentram entre as avenidas San Blas e Monseñor Rodriguez, como o shopping Alfonso I, focado em cométicos e produtos para crianças; a Casa China e o Shopping Bonita Kim, com itens variados; a Mega Eletrônicos, meca dos eletrônicos; e a Monalisa, de artigos de luxo.

E, em Puerto Iguazú, na Argentina, o centro de compras é o Duty Free Shop Puerto Iguazú, loja de departamentos livre de impostos. O comércio do Paraguai funciona das 7h às 16h; e, aos domingos, algumas lojas abrem apenas pela manhã. Já o Duty Free na Argentina fica aberto das 10h às 21h.

Importante: a cota de compras nos dois países, para quem voltar ao Brasil de carro ou a pé, é de US$ 300; de avião, sobe para US$ 500.

Como chegar em Foz do Iguaçu

Por vias terrestres, o caminho natural para chegar a Foz do Iguaçu é pela BR-277, com vários trechos de pista simples e muitas praças de pedágio. De ônibus, partindo de São Paulo , são 16 horas de viagem feitas pelas viações Pluma e Kaiowa.

De Curitiba, quem faz o trajeto é a Viação Catarinense, com uma duração média de 11 horas de viagem. A rodoviária de Foz do Iguaçu está a 4 km do Centro.

O aeroporto da cidade recebe voos das principais companhias aéreas.

Como circular

Andar de carro por Foz é fácil – as principais avenidas são largas e a sinalização turística é frequente. Do Terminal de Transporte Urbano partem ônibus que levam às principais atrações – táxis ou traslados oferecidos por agências de turismo são alternativas mais confortáveis.

Para ir ao Paraguai, evite cruzar a fronteira com veículo próprio, pois há risco de assaltos. É possível atravessar a Ponte da Amizade a pé. Para a Argentina, não há problema – apenas não esqueça de pagar a Carta Verde, um seguro internacional que pode ser encontrado em agências de turismo ou nas seguradoras de Foz do Iguaçu, e lembre-se de trafegar com o farol baixo ligado.

Cruzando a fronteira

Para ir ao Paraguai e à Argentina, basta apresentar o RG ou o passaporte. 

Argentina – Você pode chegar a Puerto Iguazú de três maneiras: de táxi, com os ônibus das agências de turismo ou de carro (é obrigatório o porte da Carta Verde - veja acima, em "Como circular"). Independentemente do meio de transporte, é necessário portar RG, CNH ou passaporte originais. Se a ideia for curtir a noite, fique atento: não há teste de bafômetro, mas os policiais são mais rigorosos que os brasileiros quanto ao consumo de álcool e podem reter o veículo.

Paraguai – Vá a Ciudad del Este de táxi (a travessia da ponte a pé, de 500 metros, é tranquila; os táxis cobram taxa extra para levar ao país vizinho). Outra alternativa são os ônibus das agências, que atravessam a ponte. Evite cruzar a fronteira com veículo próprio – há risco de assaltos. O pior dia para visitar o Paraguai é sábado, com movimento intenso e trânsito no regresso ao Brasil. Ao levar dinheiro vivo, cuidado com furtos. Para entrar no Paraguai não é preciso portar documentos originais (mas leve identificação).

Atualizado em outubro de 2015.

Leia mais

 Guia de viagem: Paraná

 Foz do Iguaçu básica: um roteiro com cataratas e compras na Argentina e no Paraguai

Comente