Ilhabela

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 
PREVISÃO DO TEMPO

Fonte: Climatempo
  • ilhabela.sp.gov.br
  • 30.983 hab
  • 12
  • São Paulo

  • São Sebastião: 9 km; Caraguatatuba: 57 km; São José dos Campos: 122 km; São Paulo: 213 km; Rio de Janeiro: 452 km.

Distribuídas por 130 km de costa, as 42 praias de Ilhabela atraem mais de 400 mil pessoas no verão. Com 83% de área preservada por um parque estadual e muitas cachoeiras, o destino também é perfeito para caminhadas e banhos em meio à Mata Atlântica. Marcado por histórias e lendas de piratas, o mar que cerca o arquipélago é pontilhado por naufrágios, boa parte disponível para mergulhos. E o canal formado entre a ilha e o continente tem os ótimos ventos que originaram o apelido de "Capital Nacional da Vela” para a cidade. No mês de julho, velejadores de todo o mundo colorem a região na tradicional competição da modalidade, a Semana Internacional de Vela. Mas Ilhabela não é só aventura. A badalaçãoestá nos clubes de praia, repletos ao entardecer, nas praias do Curral e Saco da Capela e nos bares da Vila, à noite. Vale lembrar, apenas, que os preços na ilha são tão salgados quanto o mar que faz sua fama.

UM DIA PERFEITO

Faça o passeio Terra e Mar, que dura o dia todo e te leva para conhecer uma das praias mais bonitas da ilha, a de Castelhanos, com uma parada para mergulho na Praia da Fome. Aproveite a chegada no Perequê para provar as caipirinhas e os sucos naturais do Fina Fruta no Espaço Ardenthia. À noite, aposte nas criativas receitas de inspiração tailandesa do estrelado Marakuthai, com mesas na areia da praia ao lado do Yacht Club. Para fechar o dia, curta o vaivém de turistas no Bar SP, que monta mesas na calçada e serve três variedades da cerveja Baden Baden.

O GUIA RECOMENDA

Três dias - Faça um passeio de flexboat para conhecer a Praia Do Bonete, que divide com Castelhanos o título de mais bonita da ilha. O jantar pode ser no italiano Portinho. Do outro lado da rua, a poucos metros, está o Me Gusta Ceviche e Pisco, onde a juventude descolada toma drinques à base de pisco, em ambiente rústico com clima de paquera. No dia seguinte, faça o Trekking até o Pico do Baepi. A subida é longa e exige certo preparo físico, mas lá do alto a vista alcança o Canal de São Sebastião e as praias de Caraguatatuba e Ubatuba. Termine o dia com o hambúrguer de picanha do Borrachudo. Faça o Mergulho Livre na Praia das Pedras Miúdas e na Ilha das Cabras, onde você nada em meio aos peixinhos.

COMO CHEGAR

A partir de São Paulo, siga pelo corredor formado pelas rodovias Ayrton Senna (SP-070) e Carvalho Pinto até o acesso para a Rodovia dos Tamoios (SP-099), que cruza a Serra do Mar e termina em Caraguatatuba. Vire à direita para São Sebastião e siga até o Centro, onde placas indicam a balsa (que funciona de segunda a sexta-feira, R$ 15 e sábado e domingo, R$ 22,50 – pagamento só na ida). Para evitar filas na alta temporada e nos feriados, é possível agendar a travessia no site, mas o preço sobe (de segunda a sexta, por R$ 51,70 ida, R$ 36,70 volta; sábado e domingo, por R$ 77,60 ida, R$ 55 volta). É preciso pagar uma taxa de preservação ambiental de R$ 6,50 por carro (pagamento no embarque da balsa na volta). Ônibus da Viação Pássaro Marron partem do Terminal Rodoviário do Tietê até o Centro de São Sebastião (mais informações pelo telefone (11) 3775-3861, R$ 54,30, oito saídas diárias entre 6h e 21h30). São três horas e meia de viagem pela Tamoios, e mais 20 minutos de caminhada até a balsa (gratuita para pedestres).

COMO CIRCULAR

Uma única via (que ganha nomes diferentes a cada trecho) com 29 km de pista simples contorna o lado da ilha virado para o Canal de São Sebastião, de ponta a ponta. Nessa face fica toda a estrutura de hotéis e restaurantes. A balsa aporta em Barra Velha. Ao sul (pegue a primeira saída à direita na rotatória) estão as badaladas praias do Curral e da Feiticeira, bem como as movimentadas Grande e do Julião. Siga na direção norte para chegar ao Perequê, praia com boa estrutura de comércio e serviços, e à charmosa Vila (o centrinho de Ilhabela). As melhores praias ficam em mar aberto, no lado mais isolado e selvagem da ilha, com acessos difíceis. Para chegar ao Bonete é preciso encarar uma trilha de cinco horas a partir da Ponta de Sepituba, ou pegar os barcos que partem da Praia Perequê (em frente ao restaurante Max Paladar, uma hora de viagem), ou ainda contratar os serviços das agências de turismo. Uma via de terra precária, acessível para veículos 4x4, cruza a ilha até Castelhanos – as agências vendem passeios de jipe. Para o verão de 2015, a prefeitura estabeleceu um limite de veículos nessa estrada – agende o passeio com antecedência nas agências e chegue cedo se for em veículo próprio.

ONDE FICAR

A maioria das hospedagens está a poucos passos – ou a poucos minutos de caminhada – da praia. Ao sul, elas têm maior contato com a natureza; ao norte, mais proximidade com o comércio e serviços. Em 2014, a ilha ganhou duas confortáveis e elegantes novidades: o pé na areia TW Guaimbê Exclusive Suítes, no Julião, e o Kalango Boutique Hotel, colado em um bosque no bairro Cocaia.

ONDE COMER

A cena gastronômica se concentra no trecho mais movimentado da ilha, que fica entre as praias do Perequê e Santa Tereza. Nesta, você encontra o contemporâneo Marakuthai, da chef Renata Vanzetto, único estrelado de Ilhabela. No extremo sul, os restaurantes All Mirante e Nova Iorqui descortinam as vistas panorâmicas mais deslumbrantes da região. A lista do GUIA BRASIL 2015 traz duas novidades: as massas e pizzas do Casa Vielas, localizado no bairro Bexiga, e as refeições econômicas do Pimenta de Cheiro, no Perequê.

SABORES

O casal de paulistanos Flavio e Renata Viellas gostava de cozinhar para os amigos. Em 2013, eles decidiram sair da capital e abrir o restaurante italiano Casa Vielas. Flavio prepara as massas e pizzas, e Renata atende os clientes como se fossem seus convidados.

É TUDO VERDADE

A “Capital Nacional da Vela” dá oportunidade para iniciantes: a escola BL3 oferece aulas aos novatos. Depois de adquirir um pouco de traquejo, dá para se juntar a uma tripulação e até participar de uma regata da Semana Internacional de Vela.

LENDA URBANA

Nos passeios de escuna pela costa da ilha, não leve tão a sério se os guias apontarem muitas casas de celebridades no caminho. A prática é recorrente, principalmente para saciar a fom de glamour dos turistas. Preste atenção nos relatos sobre a história da ilha.

QUANDO IR

A ilha lota em janeiro e nos feriados prolongados do verão, quando o trânsito piora e há longas filas para a balsa. A Semana Internacional de Vela movimenta os arredores da Vila em julho. No resto do ano, as tarifas costumam cair pela metade.

Por Ian Pellegrini Montes

RECOMENDADOS POR

Logo-guia
Comente