São Paulo

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 
PREVISÃO DO TEMPO

Fonte: Climatempo
  • cidadedesaopaulo.com
  • 11.821.873 hab
  • 11
  • São Paulo

  • Curitiba, 411 km, Rio de Janeiro, 451 km, Belo Horizonte, 602 km, Florianópolis, 693 km, Goiânia, 914 km, Brasília, 1011 km, Porto Alegre, 1122 km, Cuiabá, 1643 km, Salvador, 1979 km, Recife, 2667 km, Belém, 2968 km, Fortaleza, 3121 km, Rio Branco, 3610 km

Entre construções antigas e modernos arranha-céus, o vaivém dos carros e os passos apressados dos pedestres marcam a impessoalidade de São Paulo. A metrópole pode intimidar, no começo. Para entendê-la, é preciso entrar no seu compasso. O ritmo, constante, não é só o do corre-corre de quem trabalha e estuda.

No início do dia, começam a se formar filas na porta de megaexposições no Tomie Ohtake ou no Museu da Imagem e do Som, premiado como Atração do Ano no GUIA BRASIL 2015. Na Avenida Paulista, há sempre gente passeando, comprando, fotografando ou até protestando. Quando a noite chega, o frenesi migra para as festas itinerantes e os bares da Vila Madalena.

No fim de semana, ciclovias e parques lotam – até o Minhocão, elevado que liga as zonas Leste e Oeste, se torna uma disputada área de lazer. E, com os food trucks, o paulistano redescobriu a gastronomia ao ar livre. São Paulo acontece na rua.

UM DIA PERFEITO

Como um bom Paulistano, comece o dia numa padaria: peça um pingado ou um expresso com pão na chapa. Depois, faça o City Tour no Centro, que leva ao Pateo do Collegio e ao Mercado Municipal. Aproveite para visitar o Museu da Língua Portuguesa, a Estação da Luz e a Pinacoteca do Estado. Para o jantar, escolha entre os três-estrelas D.O.M., Fasano e Maní. Termine a noite em um dos bares da Vila Madalena.

O GUIA RECOMENDA

Com mais tempo, dá para fazer passeios tradicionais. Vá ao Parque do Ibirapuera – além da bela área verde, é um amplo complexo cultural, onde estão o Museu de Arte Moderna e, no entorno, o Museu de Arte Contemporânea. Outro programa indispensável é percorrer a Avenida Paulista, endereço do Masp, um dos prédios mais emblemáticos da cidade. Na lista dos museus imperdíveis ainda está o do Futebol. Se estiver com crianças, vá para o interativo Catavento ou siga até a Zona Sul, onde ficam o Jardim Botânico, o Zoológico e o Zoo Safári. Para fazer compras em lojas de grife, caminhe pela Rua Oscar Freire e visite os shoppings; e, para encontrar pechinchas, vá à 25 de Março e ao Bom retiro. Aproveite a cena gastronômica mais rica do país: faça um almoço no nordestino Mocotó e um jantar no badalado Skye.

COMO CHEGAR

Dez grandes rodovias convergem para São Paulo – a maioria desemboca nas marginais Tietê e Pinheiros, vias expressas que circundam boa parte da cidade. São elas: Via Dutra e Ayrton Senna (para quem vem do Vale do Paraíba e do Rio de Janeiro); Fernão Dias (de Minas Gerais); Anhanguera, Bandeirantes, Castello Branco e Raposo Tavares (do interior do estado); Régis Bittencourt (do Paraná); e Anchieta e Imigrantes (da Baixada Santista). Fique atento para não ser multado na Operação Horário de Pico, o famoso rodízio.

Para quem vem de avião, há três aeroportos: Congonhas, na Zona Sul, que recebe voos nacionais; Viracopos, na cidade de Campinas (a companhia aérea Azul faz traslado de ônibus gratuito até pontos da capital); e o Aeroporto Internacional de Guarulhos (ou Cumbica), aonde chegam voos internacionais e domésticos. Cumbica fica a 28 km do Centro de São Paulo – o trajeto pode ser feito de táxi (o preço é tabelado em R$ 104,82 até bairros centrais) ou de ônibus Executivos (0800-770-7995; horários em emtu.sp.gov.br; de R$ 36,50 a R$ 38), que, além da região central, levam para Congonhas, rodoviárias do Tietê e da Barra Funda e avenidas Paulista, Brigadeiro Faria Lima e Engenheiro Luís Carlos Berrini.

Há também ônibus Suburbanos (R$ 4,45) até o metrô Tatuapé (o trajeto pode levar 50 minutos ou mais). A rodoviária do Tietê (3866-1100), na Zona Norte, tem conexão direta com a estação Portuguesa-Tietê do metrô. E a rodoviária da Barra Funda (3866-1100), na Zona Oeste, dá acesso à estação homônima de metrô e de trem.

COMO CIRCULAR

As congestionadas marginais Tietê e Pinheiros circundam a área central, com transversais que vão até o miolo da cidade. É preciso respeitar o rodízio de veículos no Centro Expandido. Se puder, opte pelo metrô (R$ 3; metro.sp.gov.br), uma vez que as linhas Azul, Verde, Vermelha (2ª/6ª 4h40/0h, sáb 4h40/1h, dom 4h40/0h) e Amarela (2ª/6ª 4h40/0h, sáb 4h40/1h, dom 4h40/0h) cobrem boa parte das áreas turísticas. Nas três primeiras, durante a semana, as estações fecham entre 0h e 0h35, mas, após a meianoite, não há garantia de que você consiga fazer conexões entre linhas – já a Amarela fecha à 0h em ponto.

Há corredores exclusivos para os ônibus (R$ 3; informações sobre itinerários em sptrans.com.br ou pelo telefone 156); o cartão Bilhete Único dá direito a até quatro embarques num período de três horas pelo valor de uma passagem (nas duas primeiras horas, uma dessas viagens pode ser feita de metrô ou trem, pagando-se um acréscimo de R$ 1,65). Aos domingos e feriados, o prazo de uso dos ônibus se estende para oito horas – desde que o usuário não faça mais de quatro viagens no período.

A rede ferroviária (0800-055-0121; cptm.sp.gov.br) atende a várias regiões e é interligada com o metrô.

ONDE FICAR

A capital paulista tem 42 mil quartos de hotéis, pousadas e flats, segundo a ABIH-SP (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis). Há estabelecimentos de todos os níveis de conforto – a maioria localizada no Centro, na região da Avenida Paulista e nos bairros de Santana, Morumbi, Brooklin, Tatuapé, Chácara Santo Antônio, Itaim, Vila Mariana e ao longo das duas marginais (Tietê e Pinheiros).

De acordo com o núcleo de pesquisas do Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo, a ocupação média entre janeiro e agosto de 2014 foi de 64%, caindo para cerca de 55% nos fins de semana. A diária média cobrada foi de R$ 173 no segmento econômico; entre R$ 275 e R$ 374 nos de faixa intermediária; e R$ 732 nos de alto padrão. A Associação de Hostels de São Paulo divulgou ocupação de quase 54% entre janeiro e agosto de 2014 e tarifa média de R$ 58.

Devido ao tamanho da cidade e ao trânsito, considere hospedar-se perto de uma estação de metrô. Os hostels continuam a crescer em quantidade (são nove novos albergues no GUIA BRASIL 2015) e qualidade. Houve poucas inaugurações de grande porte – a melhor foi a do Pullman São Paulo Vila Olímpia, que recebe nesta edição o prêmio Novidade do Ano.

Alguns hotéis promovem pacotes culturais. O Hilton tem parcerias com o HSBC Brasil, Masp e Pinacoteca. E o Transamérica São Paulo dá desconto na diária caso o hóspede apresente um ticket para show, teatro ou exposição temporária em determinadas casas da cidade.

ONDE COMER

O título de “capital gastronômica do Brasil” expressa a distância entre São Paulo e o resto do país no que se refere a boa comida. São 75 endereços estrelados no GUIA BRASIL 2015, e um terço deles integra o ranking dos 50 melhores do Brasil. São Paulo lidera ainda a lista de novidades, com 22 casas recém-abertas. destaque para os italianos: dos sete novos, cinco estreiam com uma ou duas estrelas: Due Cuochi Cucina Morumbi, Loi, Modi Gastronomia, Supra di Mauro Maia e Trattoria.

No almoço dos dias úteis, alguns estrelados têm menus executivos bem em conta. Epice, Attimo e Kinoshita servem refeições completas por R$ 49. No três-estrelas Maní, o cardápio Cozinha Rápida sugere pratos de R$ 41 a R$ 55.

SABORES

A nova onda paulistana são os food trucks, veículos adaptados que servem sanduíches, sucos, picolés, docinhos, pratos quentes... Itinerantes, eles podem ser encontrados com a ajuda de aplicativos (como o Food Truck nas Ruas) ou parados no Butantan Food Park.

O QUE FAZER

São Paulo apresenta o melhor conjunto de museus do país. Masp, Pinacoteca e os museus da Língua Portuguesa e do Futebol são avaliados com cinco estrelas, classificação máxima do GUIA QUATRO RODAS. Mas as melhores novidades de 2014 vieram de atrações um pouco menos badaladas. O Museu da Imigração, no bairro da Mooca, foi reaberto após longa reforma; e o Museu da Imagem e do Som viu o número de visitantes explodir com exposições sobre o cantor David Bowie e o programa Castelo Rá-Tim-Bum – o MIS recebe o prêmio de Atração do Ano no GUIA BRASIL 2015.

Para dias de sol, há ótimas opções ao ar livre, como o cinco estrelas Parque do Ibirapuera, os passeios a pé pelo Centro (abaixo) e por regiões repletas de atrativos, como Avenida Paulista, Vila Madalena, LiberdadeBom Retiro, e os roteiros de bike – a cidade deve ganhar 400 km de ciclovias até o fim de 2016. Para aproveitar a programação cultural, consulte o site catracalivre.com.br e publicações semanais como a revista VEJA SÃO PAULO (vendida junto com a VEJA) e os encartes Guia da Folha (da Folha de S.Paulo) e Divirta-se (do Estado de S. Paulo), que saem às sextas.

Depois do café da manhã na padaria, uma nova tendência surge com força na cidade: o piquenique no parque. Para entrar na onda, leve suas comidinhas para o pequeno Parque do Povo. O acesso é fácil – quem está nos hotéis do Itaim e da Vila Olímpia pode até chegar a pé.

A PÉ PELO CENTRO

A Praça da Sé, onde fica o marco zero da capital, é ótimo ponto de partida para uma caminhada pelo Centro – melhor se você dividir o roteiro e dedicar dois dias à região. Comece pela Catedral da Sé e pelo Palácio da Justiça, ao lado, onde você pode visitar o Salão do Júri (2ª/6ª 12h30/19h). Descendo a Rua Conselheiro Furtado você encontra a Igreja do Carmo e, pertinho dela, o Solar da Marquesa de Santos, do final do século 18, o Pateo do Collegio, que deu origem a São Paulo, e a Caixa Cultural, com boas exposições. A poucas quadras, um prédio neoclássico abriga o Centro Cultural Banco do Brasil.

Para ver tudo do alto, escolha entre os mirantes próximos: o do Edifício Altino Arantes a (que só abre durante a semana) e o do Edifício Martinelli. A partir daqui, há duas opções: descer a Ladeira Porto Geral para se aventurar nas lojas da Rua 25 de Março e provar sabores do Mercado Municipal, ou fazer uma pausa para o almoço no tradicional Café Girondino (R. Boa Vista, 365; segunda a quinta, das 7h30 às 22h30; sexta, das 7h30 às 23h; sábado, das 7h30 às 20h; domingo, das 7h30 às 19h), com cardápio variado e sanduíches. Para a sobremesa, volte uma quadra e experimente os doces portugueses da Casa Mathilde.

Continue o tour pela Basílica de São Bento, e depois passe sobre a estrutura metálica importada da Bélgica do Viaduto Santa Ifigênia para descer ao Vale do Anhangabaú. Siga em direção ao Viaduto do Chá e observe o austero Prédio dos Correios, na Praça do Correio. Depois, suba a Avenida São João, onde há três galerias para visitar: a Galeria do Rock, a Nova Barão e a Galeria Olido, com cinema e teatro. Seguindo em frente na São João, vire à esquerda na Avenida Ipiranga, onde você encontra outros dois prédios que são referência da cidade: o Edifício Itália e o Copan, simplesmente a maior estrutura de concreto armado do Brasil (projeto de Oscar Niemeyer), onde está o Bar da Dona Onça.

Ao sair do Copan, pegue a Avenida São Luís e entre à esquerda na Rua da Consolação para conhecer o belo prédio da Biblioteca Mário de Andrade (segunda a sexta, das 10h às 17h30, visitas guiadas terça e quinta, às 11h e 15h), de 1926. Daqui, desça ao revitalizado Theatro Municipal – em frente fica o Shopping Light (segunda a sexta, das 9h às 22h; sábado, das 9h às 20h; domingo, das 11h às 18h). Cruze novamente o Vale do Anhangabaú, agora sobre o Viaduto do Chá, e encontre o prédio da Prefeitura. À direita, no Largo São Francisco, estão a Faculdade de Direito da USP e a Igreja de São Francisco de Assis. Desça a Rua Líbero Badaró para comer na Casa Godinho, de 1888, e termine o dia nas mesas do bar Salve Jorge (Praça Antônio Prado, 33; segunda a sexta, das 12h às 23h30; sábado, das 12h às 18h30).

OPERAÇÃO HORÁRIO DE PICO

Durante a semana, das 7h às 10h e das 17h às 20h, carros são proibidos de circular conforme o último número da placa: 1 e 2 às segundas, 3 e 4 às terças, 5 e 6 às quartas, 7 e 8 às quintas e 9 e 0 às sextas. A área restrita é formada pelas marginais Tietê e Pinheiros e pelas avenidas dos Bandeirantes, Afonso D'Escragnolle Taunay, Complexo Viário Maria Maluf, Tancredo Neves, das Juntas Provisórias, Professor Luís Inácio de Anhaia Melo e Salim Farah Maluf.

ARTES

Musicais se multiplicam pela cidade. Para recebê-los, surgem novas salas, como o Theatro Net São Paulo (para 799 pessoas) e o Teatro J. Safra (para 633 pessoas), inaugurados em 2014. Duas casas estão em construção – e somarão 1900 novas poltronas.

TÍPICO

As rádios de notícias são clássicos no dial paulistano. A música Tema de São Paulo, de Billy Blanco, com seu refrão ”vambora, vambora, olha a hora”, anuncia os boletins da Jovem Pan (620 AM). Vale sintonizar também BandNews (96,9 FM), CBN (90,5 FM) e Sulamérica Trânsito (92,1 FM).

NOITE

Que a vida noturna de São Paulo é referência, todo mundo já sabe. Mas a rede americana de notícias CNN decidiu reforçar ainda mais essa característica em 2014, classificando a noite da capital como a quarta melhor do planeta! Baladas caras tocam música eletrônica e hip hop e reúnem os mais arrumadinhos, casos da Lions Nightclub (Av. Brigadeiro Luís Antônio, 277, 1º andar, Bela Vista; 3111-6330), da D-Edge (Av. Auro Soares de Moura Andrade, 141, Barra Funda; 3665-9500) e da Royal Club (R. Quatá, 460, Vila Olímpia; 3044-5969).

Quem curte estilos alternativos, como rock, indie, grunge e até ritmos brasileiros, pode apostar na Anexo B (R. Augusta, 430, Consolação; 3774-0358), na Blitz Haus (R. Augusta, 657, Bela Vista; 2924-5083) ou em festas itinerantes, como as já famosas Voodoohop, Talco Bells, Odara e Pilantragi (todas divulgam a programação no Facebook).

Sertanejo rola na Wood’s (R. Quatá, 1016, Vila Olímpia; 3849-6868), no Brook’s (R. Carmo do Rio Verde, 83, Chácara Santo Antônio; 5641-4510) e no OutLaws (R. Augusta, 2805, Jardim Paulista; 3062-8575).

E o público LGBT costuma lotar a The Week (R. Guaicurus, 324, Água Branca; 3868-9944), o Club Yacht (R. 13 de Maio, 703, Bela Vista; 3104-7157) e a Bubu Lounge & Disco (R. dos Pinheiros, 791, Pinheiros; 3081-9659). O Bourbon Street (R. dos Chanés, 127, Moema; 5095-6100) recebe gigantes do jazz mundial.

QUANDO IR

O trânsito flui melhor durante as férias – mas as chuvas de verão complicam os deslocamentos. É comum haver ondas de calor no inverno e dias amenos no verão. Eventos como o GP de Fórmula 1 (em novembro) lotam os hotéis.

RAIO X

Trânsito: Conte sempre com a possibilidade de se atrasar. Os horários de pico (7h e 10h;17h e 20h), mesmo com o rodízio de veículos, são os mais caóticos – a média em 2012 foi de 85 km de congestionamento de manhã e 120 km à noite, segundo a CET (Companhia de Engenharia de tráfego). Porém, trânsito, ônibus lotados e filas no metrô podem surgir a qualquer hora.

Compras: Dá para comprar (quase) tudo em São Paulo, e sem andar quilômetros à procura. São 59 ruas de vendas especializadas na cidade, segundo a prefeitura. Há endereços com foco em eletrônicos (Rua Santa Efigênia), luminárias (Rua da Consolação), trajes de festa (Rua São Caetano), utensílios de cozinha industrial (Rua Paula Souza)e instrumentos cirúrgicos (Rua Borges lagoa).

Cinema: Inaugurada em 2012, no Shopping JK iguatemi, a primeira sala de cinema 4D da América Latina transforma a experiência de ver um filme em algo como andar de montanha-russa. Além dos óculos 3D, há simuladores de ventania, névoa e aromas, e assentos que trepidam durante as cenas de ação.

Por Jaqueline Gutierres

Comente