São Paulo

Cidade

Mapa
Ver no mapa:
|
|
 
PREVISÃO DO TEMPO

Fonte: Climatempo
  • cidadedesaopaulo.com
  • 11.376.685 hab
  • 11
  • São Paulo

  • Curitiba, 411 km, Rio de Janeiro, 451 km, Belo Horizonte, 602 km, Florianópolis, 693 km, Goiânia, 914 km, Brasília, 1011 km, Porto Alegre, 1122 km, Cuiabá, 1643 km, Salvador, 1979 km, Recife, 2667 km, Belém, 2968 km, Fortaleza, 3121 km, Rio Branco, 3610 km

Mar de concreto, locomotiva do Brasil. Difícil não ver São Paulo como essa metrópole megalomaníaca movida a trabalho. Mas a cidade ainda surpreende com regiões marcadas por casas antigas, feiras livres atrapalhando o tráfego e a musiquinha dos caminhões vendendo bujões de gás. Duas das principais novidades da capital paulista despontam em vizinhanças assim, longe do turbilhão da área mais central.

Na Zona Norte fica o recém-aberto e já estrelado Esquina Mocotó, de Rodrigo Oliveira (Chef e Restaurateur do Ano no GUIA BRASIL 2014). Na Zona Leste, Itaquera recebe a Copa do Mundo na Arena Corinthians. E é possível entrar no espírito dessa São Paulo menos frenética sem ir muito longe. Comece com o simples: vá a uma padaria e peça um pingado e um pão na chapa. Depois, dê uma volta no parque, veja uma exposição gratuita... E termine o dia (por que não?) em pizza.

COMO CHEGAR

Dez grandes rodovias convergem para cá – a maioria desemboca nas marginais Tietê e Pinheiros, vias expressas que circundam boa parte da cidade. São elas: Via Dutra e Ayrton Senna (para quem vem do Vale do Paraíba e do Rio de Janeiro); Fernão Dias (de Minas Gerais); Anhanguera, Bandeirantes, Castello Branco e Raposo Tavares (do interior do estado); Régis Bittencourt (do Paraná); e Anchieta e Imigrantes (da Baixada Santista). Fique atento para não ser multado na Operação Horário de Pico, o famoso rodízio.

Para quem vem de avião, há dois aeroportos: Congonhas, na Zona Sul, que recebe voos nacionais, e o Aeroporto Internacional de Guarulhos, conhecido como Cumbica, aonde chegam voos internacionais e domésticos. Cumbica fica a 28 km do Centro de São Paulo. O trajeto pode ser feito de táxi (o preço é tabelado, R$ 96,96 até os bairros centrais) ou de ônibus: executivos, R$ 36,50 para Congonhas, Pça. da República, rodoviárias do Tietê e da Barra Funda e avenidas Paulista, Brig. Faria Lima e Eng. Luís Carlos Berrini; suburbanos, R$ 4,45 até o metrô Tatuapé. O trajeto pode levar 50 minutos ou mais, conforme o trânsito. A rodoviária do Tietê, na Zona Norte, tem conexão com a estação Portuguesa-Tietê do Metrô; já a rodoviária da Barra Funda, na Zona Oeste, dá acesso à estação homônima de metrô e de trem.

COMO CIRCULAR

As congestionadas marginais Tietê e Pinheiros circundam a área central, com transversais que vão até o miolo da cidade. É preciso respeitar o rodízio de veículos no Centro Expandido. Se puder, use o metrô: as linhas Azul, Amarela, Verde e Vermelha (2ª/6ª 4h40/0h, sáb 4h40/1h, dom 4h40/0h) cobrem boa parte das áreas turísticas. De ônibus, o Bilhete Único dá direito a quatro embarques durante três horas pelo valor de uma passagem (nas duas primeiras horas, uma viagem pode ser feita de metrô ou trem, por mais R$ 1,65). Aos domingos e feriados, o prazo de uso dos ônibus se estende para oito horas – desde que o usuário não faça mais de quatro viagens no período. A rede ferroviária, CPTM, atende a várias regiões e é interligada com as linhas de metrô.

PROGRAME-SE

O trânsito flui melhor durante as férias – mas as chuvas de verão complicam os deslocamentos. É comum haver ondas de calor no inverno e dias amenos no verão. Eventos como o GP de Fórmula 1 (em novembro) lotam os hotéis.

HOTÉIS

A capital paulista tem o maior número de quartos de hotéis do país – mais de 42 mil, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado de São Paulo. É o suficiente para atender à demanda gerada pela Copa do Mundo, de acordo com o comitê paulista responsável pelo evento. A oferta também se mostrou equilibrada com relação à ocupação média do primeiro semestre de 2013 – 65%, segundo a SPTuris, empresa municipal de turismo e eventos.

Entre as poucas novidades do último ano está o Panamby São Paulo, aberto na Barra Funda. O que não para de crescer é o número de hostels-butique (sobretudo em Pinheiros, Vila Mariana e Vila Madalena) e de albergues em bairros menos badalados, como Ipiranga e Parada Inglesa. Economize ficando perto de estações de metrô ou no Centro, com opções de bom custo-benefício. Nos fins de semana, há queda na ocupação (e nas tarifas).

ONDE COMER

São Paulo é, de longe, a cidade do país com maior número de estrelados (84, contra 33 do Rio de Janeiro, que vem em segundo). a enormidade da metrópole e sua pluralidade gastronômica ficam evidentes na distância (16 km) que separa as duas principais novidades do último ano: o japonês Kan, a meia quadra da Avenida Paulista, e o brasileiro Esquina Mocotó (na Vila Medeiros, Zona Norte), comandado por Rodrigo Oliveira. No seleto clube dos três-estrelas permanece a trinca formada por D.O.M., Maní e Fasano.

COMIDA TÍPICA

Pizza -- Criada na Itália com o formato que conhecemos hoje, a pizza transformou-se numa instituição paulistana – há até um dia em sua homenagem, 10 de julho. As redondas tradicionais de mussarela, margherita e calabresa dividem espaço com ingredientes como mussarela de búfala, presunto de parma, funghi, tomate seco e rúcula. As espessuras da massa e da borda geralmente são adaptadas ao gosto do freguês, mas o que faz diferença na composição é o equilíbrio entre massa, molho e cobertura. Além disso, as melhores costumam ser assadas em forno a lenha. E se você gosta de ketchup, peça para viagem e coma longe de um paulistano típico. Onde comer: Nas casas especializadas. Em Cotia, na estrelada A Tal da Pizza.

SUGESTÕES DE ROTEIROS

2 dias - Comece pelo Centro: para ganhar tempo, faça o City Tour, que leva, em três horas, ao Pateo do Collegio, Theatro Municipal e Mercado Municipal. depois, siga para a Estação da Luz, atravesse a rua e conheça as obras da Pinacoteca do Estado. No segundo dia, percorra a Avenida Paulista e confira o acervo do Masp, que exibe telas de gênios da pintura – como Renoir, Monet e Van Gogh. Perto dali, a região dos Jardins concentra os restaurantes três-estrelas da cidade: D.O.M., Fasano e Maní.

4 dias - Reserve um dia para explorar o Parque do Ibirapuera. Lá estão o Museu de Arte Moderna e o prédio da Bienal, além de belos jardins de Burle Marx e de uma gostosa pista de cooper. Visite os museus do Futebol, da Língua Portuguesa e Catavento (que aborda conceitos científicos de maneira divertida), todos com acervo interativo. A noite pode começar em um dos disputados bares da Vila Madalena e seguir nas casas noturnas da Rua Augusta, dos arredores do Centro e do Itaim Bibi.

7 dias - Você pode encher a sacola de compras com as mais diferentes mercadorias, seja nas luxuosas e exclusivas lojas da Rua Oscar Freire e dos shoppings seja nas galerias populares das ruas 25 de Março e José Paulino. Se estiver com crianças, siga para a Zona Sul, onde o Jardim Botânico, o Zoológico e o Zoo Safári estão pertinho um do outro.

RAIO X

-Trânsito: Conte sempre com a possibilidade de se atrasar. Os horários de pico (7h e 10h;17h e 20h), mesmo com o rodízio de veículos, são os mais caóticos – a média em 2012 foi de 85 km de congestionamento de manhã e 120 km à noite, segundo a CET (Companhia de Engenharia de tráfego). Porém, trânsito, ônibus lotados e filas no metrô podem surgir a qualquer hora.

-Compras: Dá para comprar (quase) tudo em São Paulo, e sem andar quilômetros à procura. São 59 ruas de vendas especializadas na cidade, segundo a prefeitura. Há endereços com foco em eletrônicos (Rua Santa Efigênia), luminárias (Rua da Consolação), trajes de festa (Rua São Caetano), utensílios de cozinha industrial (Rua Paula Souza)e instrumentos cirúrgicos (Rua Borges lagoa).

-Cinema: Inaugurada em 2012, no Shopping JK iguatemi, a primeira sala de cinema 4D da América Latina transforma a experiência de ver um filme em algo como andar de montanha-russa. Além dos óculos 3D, há simuladores de ventania, névoa e aromas, e assentos que trepidam durante as cenas de ação.