EDIÇÃO 204/OUTUBRO DE 2012 04/10/2012

É Bonito, é Bonito e é Bonito

Lagos muito azuis, cavernas muito profundas, cachoeiras muito impactantes. Curta o melhor destino de ecoturismo do Brasil em cinco dias muito intensos

por Elaine Ianicelli

Praias, dunas, montanhas,cachoeiras, a Floresta Amazônica, o Pantanal. Se o Brasil precisasse exibir suas paisagens em um filme de 30 segundos, muita coisa ficaria de fora. Especialmente atrações não tão visíveis que estão embaixo da terra. Bonito, no Mato Grosso do Sul, destino de ecoturismo vencedor do Prêmio VT 2011/2012 e uma das cidades que mais souberam aliar turismo a preservação ambiental, é, nesse sentido, um lugares mais recatados do país. Parte de sua beleza está escondida sob o solo.

São grutas, cavernas, abismos. Nem sempre é fácil conhecê-las. Às vezes é preciso fazer rapel e mergulho autônomo.

Ou só flutuar nas águas cristalinas. A região tem mais de 80 cavernas, mas apenas quatro abertas à visitação – o Abismo Anhumas, a Lagoa Misteriosa, as grutas do Lago Azul e de São Miguel.

Espera-se para o ano que vem a abertura de mais uma, a Gruta do Mimoso. Como as atrações naturais são muitas, exigem mais interação do que contemplação e estão distantes da cidade – é preciso se planejar. O voucher único, vendido pelas operadoras de turismo locais, ajuda um tanto. Como há um limite de visitantes por dia em cada lugar, permite que você faça seus passeios tranquilamente.

A VT sugere como aproveitar o destino em cinco dias de adrenalina, contemplação e, se você tiver sorte, uma revoada de araras para ficar na história.

 

Dia 1 – De bote e Taboa

Aceita um gole de Taboa? A cachaça local que dá nome também a um dos bares concorridos da cidade pode vir a calhar na hora de encarar o passeio de bote pelo Rio Formoso, que por uma hora e meia passa por duas corredeiras e três cachoeiras, com direito a macacosprego nos observando das árvores e banho no final. No desembarque, na Ilha do Padre, há locais para descansar pelo resto do dia. Eu escolhi o Balneário do Sol por estar próximo às margens do rio e pela infaestrutura oferecida. Um macacoroubou um pedaço de pão do meu almoço enquanto eu fotografava um parente dele – será que era um truque?

A propósito, a Taboa leva mel, canela, guaraná em pó. E, à noite, no bar de Andréa Fontoura, que inventou a mistura,tem música ao vivo. Um bom fecho para o primeiro dia – só não se anime muito, pois em Bonito é preciso acordar cedo.

Dia 2 – Pegando no breu

Boca da Onça é a maior cachoeira do Mato Grosso do Sul, com 157 metros de queda. A atração está a 65 quilômetros (metade por estrada de terra) de Bonitoe é acessível por uma trilha de 4 qui-lômetros (3h30) que passa por dez cachoeiras bem bonitas também, como a Buraco do Macaco. Um cenário, com operdão da redundância, cênico. Se você tiver coragem, pode encarar um rapel de 90 metros de altura no meio do nada com vista do cânion do Rio Salobra. Tomefôlego enquanto aprecia as belezas naturais, pois o retorno ainda vai exigir um gasto de energia, voltar por uma escada de quase mil degraus ou caminharpor 40 minutos.

De volta à cidade, a sua única missão deve ser decidir a qual dos dois melhores restaurantes da cidade, segundo o GUIA BRASIL, você vai. Eu fui à Casado João. Para abrir os trabalhos, jacaré aperitivo. Depois pedi traíra sem espinha, muito saborosa. Se por ali aparecer dona Margarida, uma encantadorasenhora de traços alemães, experimente os bombons com recheio de futas regionais, como jaracatiá e umbu. Se não, de dia ela pode ser encontrada em sualoja, no centro de Bonito.

Dia 3 – Estalactite, estalagmite

O guia anunciou: “Vocês vão ter uma aula de história”. Em um casarão, pude observar o céu muito azul, um gramado verde impecável e araras-vermelhas. Difícil imaginar um local melhor para a aula. Era a introdução, em vídeo, ao passeio pela Gruta de São Miguel. Segui uma trilha por uma ponte suspensa demadeira rumo àquele mundo onde o sol não dá o ar da graça. Na entrada, descobri a diferença entre estalactites e estalagmites (estas brotam do solo, aquelas pendem do teto). Anfitriões famosos me receberam, como a coruja suindara e alguns morcegos. Depois da aula embarcamosnuma van rumo à famosa Gruta do Lago Azul, que é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e cujo lago exibe um tom de azul... azul demais. A profundidade do lago é desconhecida, mas 87 metros são o máximo que um destemido mergulhador já alcançou.

De volta a Bonito, ainda deu para fazer boia cross no Rio Formoso – passeio que dá o maior fio na barriga, ainda mais se incluir a ilustre visita de uma sucuri (a cobra dificilmente se aproxima das pessoas, mas daquela passamos perto). A casualidade do encontro ajudou na decisão de visitar, às 7 da noite,o Projeto Jiboia. A atração é tocada por Henrique Naufal, que mantém ali cerca de 20 cobras, entre jiboias e pítons. Ao término da palestra tive coragem de tirar uma foto com Figueira, jiboia de 9 anos e respeitável 1,95 metro de comprimento, toda ela em volta do meu pescoço. Meu coração bateu forte, e não resisti: lasquei um beijo nela, sob o olhar de reprovação do Henrique,que me advertiu para não repetir aquilo, já que eu poderia passar doenças para a cobra (e não o contrário!).

Dia 4 – Abismo e cavalos

cavalgada-bonito

<p> Daniel de&nbsp;Granville</p>

Apenas 19 quilômetros de terra separam o centro da cidade do Abismo Anhumas, mas, para você descer os 72 metros que existem entre a entrada no terreno e acaverna, é preciso fazer rapel – e, para isso, há um treino light no dia anterior em uma torre de 8 metros. Por lá você pode ainda fazer mergulho autônomo,com cilindro, dentro da caverna (de R$ 465 a R$ 650, com transporte incluído). O preço é uma paulada, mas trata-se da maior caverna submersa do mundoe um dos poucos passeios cotação máxima do GUIA BRASIL. Então, desde o início: ao chegar, o que se vê é apenas uma fenda no solo. Mais 2 metros e entãoo nome “abismo” faz sentido. Setenta e dois metros depois vêm o lago cristalino e a verdadeira viagem ao centro da terra. Quem fizer o mergulho conseguever cones de rocha de até 20 metros submersos. Muito radical? A tarde pode ser bem agradável na Estância Mimosa, que serve almoço preparado no fogão a lenha – redes estarão esperandovocê para a sesta. Refeito, você pode ainda conhecer algumas das sete cachoeiras – uma delas com plataforma de 6 metros para salto. Terminei o dia ali mesmo, com uma cavalgada no meio da vegetação verdinha, o sol se pondo por trás das montanhas.

Dia 5 – Jardins de Jardim

A viagem aqui é um pouco mais longa. São cerca de 50 quilômetros até o município de Jardim, onde estão outras famosas atrações que Bonito “importou”.Com a maior variedade de peixes da região, a flutuação do cristalino Rio da Prata, outra atração cinco-estrelas do GUIA BRASIL, leva duas horas. Umamissão muito possível. Entrei no aquário natural com meu modelito de neoprene, máscara e snorkel, pronta para o que viesse. Grupos de dourados, pacus e pintados gigantes desfilavam sem cerimônia para minha câmera (a propósito, aviso aos amantes da fotografia: é possível alugar uma caixa estanque por R$ 60 no receptivo e salvar o seu equipamento).

Dá para almoçar lá mesmo. Em Jardim também está o Buraco das Araras, onde o grande barato é contemplar o sobrevoo das araras-canindé e vermelhas. O buraco tem 160 metros de diâmetro, e a distância do solo é de 120 metros (algo como um prédio de 40 andares). Se estiver com um grupo, veja se alguém tem binóculo. Por fim, a outra grande atração da cidade é a Lagoa Misteriosa, que tem profundidade ignorada (um mergulhador já chegou a 220 metros, mas não é preciso ir tão fundo para curtir). Entre abril e outubro, a visibilidade vai a 50 metros. A carioca Roberta Mello, aoterminar a flutuação, sintetizou: “Tive a sensação de estar voando”.

 

Comente