Inspirando as pessoas a cuidar do planeta desde 1888 | Saiba mais »

MEIO AMBIENTE 08/03/2012

Oceanos devem ter mais destaque nas discussões ambientais, defendem pesquisadores

Pesquisadores reivindicam que, a partir da Rio+20, os oceanos sejam abordados de forma mais ampla e efetiva nos fóruns climáticos internacionais

por Elton Alisson, da Agência Fapesp

Thinkstock

Localizado a 416 metros abaixo do nível do mar, o Mar Morto é o ponto mais baixo da Terra. Suas águas, que se estendem por territórios de Israel, Jordânia e Palestina, são quase dez vezes mais salgadas que as dos oceanos, o que permite flutuar sem nenhum esforço

Thinkstock

De acordo com os pesquisadores, a questão dos oceanos tem sido subestimada nas discussões ambientais e merece maior atenção nos próximos eventos

Os oceanos precisam passar a ganhar mais destaque na agenda de discussões dos fóruns ambientais internacionais, como a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que será realizada de 20 a 22 de junho no Rio de Janeiro.

A reivindicação foi feita por pesquisadores da área de oceanografia durante o workshop preparativo para a Rio+20 “BIOTA-BIOEN-Climate Change Joint Workshop: Science and Policy for a Greener Economy in the context of Rio+20”, realizado pela Fapesp nos dias 6 e 7 de março no Espaço Apas, em São Paulo.

O objetivo do evento foi contribuir para as discussões sobre tópicos que estarão em pauta durante a Rio+20 a partir de pesquisas realizadas no Brasil sobre clima, biodiversidade, meio ambiente e energia, entre outros temas, no âmbito dos programas BIOTA-Fapesp, Fapesp de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN) e Fapesp de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG).

Na avaliação de cientistas presentes no encontro, é preciso que a questão dos oceanos, que tem sido sistematicamente subestimada nas discussões ambientais, passe a ganhar maior relevância a partir da Rio+20.

“Até o momento, os oceanos têm aparecido de maneira secundária na agenda ambiental e na agenda dos países, em parte pela falta de informações sobre eles. A expectativa da comunidade científica é que eles sejam contemplados de forma mais efetiva a partir da Rio+20”, disse José Henrique Muelbert, professor da Universidade Federal do Rio Grande, à Agência Fapesp.

Na opinião do cientista, apesar de os oceanos e ambientes marinhos em geral terem merecido mais de dez parágrafos no documento preparatório da Rio+20 – mais conhecido como Zero Draft –, a agenda de discussões sobre o tema na Conferência ainda está um pouco tímida.

“Existem muitos aspectos relacionados aos oceanos que ficaram de fora da agenda da conferência, e o principal é a questão da observação dos oceanos, principalmente em ambientes costeiros, onde existe uma grande relação entre a ocupação humana e os ambientes oceânicos”, avaliou Muelbert.

De acordo com o pesquisador, um dos poucos itens relacionados aos ambientes marinhos mencionados no Zero Draft diz respeito à necessidade de implantar um sistema de observação para acidificação dos oceanos.

Observado a partir da década de 1990, o fenômeno caracterizado pelo aumento na acidez da água do mar devido ao aumento de CO2 nos oceanos acelera a dissolução do carbonato de cálcio e da aragonita presentes na composição do esqueleto e exoesqueleto de muito organismos que vivem nos oceanos, como mariscos, mexilhões e ostras, que perderão suas capacidades de formar carapaças.

Em função disso, o fenômeno poderá causar o desaparecimento dessas espécies, além de outras muito importantes para os ecossistemas aquáticos, como corais e plânctons, que são fontes de alimentos de peixes e baleias e realizam fotossíntese.

“Alguns estudos recentes demonstraram que alguns oceanos, em especial o Atlântico e o Índico, vão ter uma variabilidade muito grande da taxa de pH”, disse Muelbert.

Segundo Muelbert, além da diminuição da biodiversidade marinha, outros impactos que poderão ser causados pela acidificação dos oceanos serão nas propriedades óticas e na temperatura dos mares.

Com a dissolução das carapaças dos organismos marinhos, provocada pela diminuição do pH da água do mar, os pesquisadores estimam que ocorrerá um aumento significativo da quantidade de carbonato em suspensão. Como consequência desse processo, o fundo dos oceanos poderá se tornar mais escuro e a capacidade de as plantas realizar fotossíntese e crescer nesse ambiente aquático poderá ficar restrita à superfície.

“Isso também poderá ter interferência na transferência de calor entre a coluna d’água dos oceanos e a atmosfera. A presença de mais elementos em suspensão no mar fará com que ele reflita mais luz”, explicou Muelbert.

Carência de informações

Na avaliação do professor da Universidade Federal do Rio Grande, é preciso obter muito mais informações do que as disponíveis hoje para acompanhar e gerenciar os problemas relacionados em parte às mudanças climáticas globais que estão afetando os oceanos.

Segundo Muelbert, é necessário obter mais dados meteorológicos de séries temporais de 20 a 30 anos, por exemplo, que permitam aos pesquisadores da área analisar as modificações que estão ocorrendo nos oceanos a longo prazo. “Não sabemos praticamente nada sobre o centro dos oceanos. Já em relação às regiões costeiras, onde ocorrem os maiores impactos e são mais fáceis de pesquisar, temos uma boa quantidade de informações, principalmente sobre biodiversidade”, comparou.

Nesse sentido, Muelbert avalia como louvável a iniciativa da Fapesp de financiar a aquisição de um navio oceanográfico que permitirá obter mais dados sobre áreas oceânicas. “O navio possibilitará ao Brasil atuar mais nessas regiões, das quais não dispomos de muitas informações”, afirmou.

LEIA MAIS:

Como o plástico polui os oceanos e mata os animais marinhos, da NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL ONLINE

O fundo do mar: a exploração do reino submarino, da NATIONAL GEOGRAPHIC

O mar não está para peixe, reportagem da edição de abril de 2007 da revista NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL

Aquecimento dos oceanos ameaça pesca, do Planeta Sustentável