Inspirando as pessoas a cuidar do planeta desde 1888 | Saiba mais »

ESPECIAL - LIXO PLÁSTICO 23/01/2012

Reciclagem do plástico: o que você precisa saber

Teoricamente, as sacolas de plástico podem ser recicladas. Mas, na prática, há muitos obstáculos para que isso aconteça

por Afonso Capelas Jr.

iStockphoto

Reciclagem de plástico

iStockphoto

O plástico é um dos materiais mais encontrados nos aterros sanitários e, por isso mesmo, um sério problema ambiental, por causa de sua alta resistência: pode durar séculos sem se decompor. De sacolinhas de supermercados a utensílios cotidianos, peças de automóveis, embalagens de produtos variados e garrafas PET, cerca de 20% do nosso lixo doméstico é composto por plásticos.

De acordo com o Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre) - uma associação sem fins lucrativos que incentiva a reciclagem entre as empresas – só em 2010, 5,9 milhões de toneladas de resinas plásticas foram consumidas pelos brasileiros. Só de garrafas PET foram nada menos que 505 mil toneladas. Esses dados mostram como é importante consumir esse material com consciência e encaminhá-lo à reciclagem, sempre que possível. Confira a seguir, a principais questões sobre a reciclagem do plástico, respondidas por especialistas no setor.

 

Qual a porcentagem de plástico reciclado no Brasil?

Segundo o Cempre, em 2010 apenas 19% dos plásticos rígidos (usados para fabricar embalagens e os mais variados objetos resistentes) e filme (matéria-prima das sacolinhas descartáveis) foram reciclados no país, ou cerca de 950 mil toneladas. É um número considerado muito baixo, uma vez que grande parte do plástico produzido e descartado no país vai para o lixo ou é incinerado. O Brasil está em nono lugar no ranking da reciclagem mundial desse material, muito atrás de países como Alemanha (34%), Suécia (33,2%), Bélgica (29,2%) e Itália (23%), por exemplo. Nestes lugares, grande parte do plástico sucateado é encaminhada para a incineração.

Quais os tipos de reciclagem de plástico?

Primária ou pré-consumo – Feita com plásticos de resíduos industriais, livres de sujeira ou contaminação.

Secundária ou pós-consumo – Plásticos das mais diversas origens e resinas (são mais de 40 tipos diferentes) que são recolhidos de lixões e aterros sanitários.

Terciária – Transformação dos resíduos plásticos em produtos químicos, gases e até óleos combustíveis utilizados em diversos setores da produção industrial.

Quanto plástico é possível reciclar?

O maior mercado, no Brasil, é o da reciclagem primária, que recupera um único tipo de plástico de cada vez. Mesmo assim, apenas 5% de plástico é aproveitado por esse tipo de reciclagem. Já a reciclagem secundária é um mercado em crescimento no país, graças a novas tecnologias para reprocessar diversos tipos de plásticos sem perda de qualidade. Um bom exemplo é a “madeira plástica” utilizada para produzir móveis e outros objetos resistentes. Entretanto, a reciclagem terciária ainda está engatinhando no Brasil.

Sacolas descartáveis podem ser recicladas?

Teoricamente sim. O chamado “plástico filme” das sacolinhas pode ser juntado em fardos e encaminhado a uma máquina aglutinadora que vai aquecer o material e triturá-lo até que se torne uma farinha. Depois, mistura-se água para fazer a aglutinação, que consiste em aumentar a densidade do material e deixá-lo na forma de grãos que serão fundidos novamente e transformados em tiras, como se fosse espaguete. O próximo passo é mais um resfriamento com água e o corte em grãos consistentes, conhecidos como “pellets”, matéria-prima para novos produtos de plástico. Na prática, a reciclagem de sacolas descartáveis é complicada. Por serem leves é preciso juntar imensas quantidades de sacolas para que o reaproveitamento seja viável economicamente. Outro empecilho é o alto grau de sujeira e contaminação, quando retiradas de lixões e aterros sanitários. É necessário que passem por processos de lavagem para que possam transformar-se em matéria-prima novamente.

Quem faz a reciclagem do plástico e em quais produtos ele pode se transformar novamente?

 

De acordo como o Cempre, os principais consumidores de plásticos sucateados são as empresas recicladoras, um mercado crescente no país. Essas empresas fazem o reprocessamento dos resíduos, transformando tudo em nova matéria-prima. O plástico reciclado é muito utilizado para a fabricação dos mais diversos utensílios, com exceção de embalagens de alimentos e remédios, por causa da impureza do material: sacos de lixo, conduítes, baldes, lixeiras, garrafas de água sanitária, embalagens de detergentes, cabides, peças para veículos, cerdas de vassouras, pentes, além da “madeira plástica”. Vale ressaltar que certos processos de reciclagem mais sofisticados – como aquele que faz a separação de diferentes tipos de resinas plásticas e utilizado para produzir a “madeira plástica” – são economicamente mais caras, principalmente porque as máquinas usadas no Brasil são importadas. Por outro lado, o plástico reciclado utiliza até 50% menos energia na sua produção, em relação ao plástico novo.

Comente