Inspirando as pessoas a cuidar do planeta desde 1888 | Saiba mais »

Rodrigo Baleia

t

Amazônia: indignação

por Rodrigo Baleia em 4 de agosto de 2009

Hoje, estou postando algumas imagens do meu último trabalho no bioma Amazônia (ou do que sobrou dele).

A complexidade da Amazônia não pode ser descrita em um post, assim como minha indignação. Ao contrário da Amazônia, que incita um longo discurso, a indignação me deixa sem palavras. Assim, só compartilho as imagens de novos desmatamentos e da logística envolvida para a realização da documentação.


Foto: Piloto Fernando Bezerra, durante voo noturno sobre a floresta Amazônica. Voos noturnos são realizados somente por pilotos habilitados para voar a noite e com aeronaves configuradas para esse tipo de voo. Voar sobre grandes extensões de floresta durante a noite significa não poder escolher áreas para um possível pouso de emergência. (Canon EOS 5D Mark II  + Lente 17mm  f/4.0 Velocidade 1/30 ISO3200).


Foto: Geólogo W. Lindbergh Silva observa a carta de navegação durante o voo de retorno para Manaus.  Lindbergh é responsável pela navegação e por interpretar as imagens geradas pelo satélites (Landsat 5 e MODIS 15). (Canon EOS 5D Mark II  + Lente 17mm  f/5.0 Velocidade 1/50 ISO3200).


Foto: Coordenador de logística do Greenpeace Amazônia checa a comunicação por rádio antes da decolagem do avião. (Canon EOS 5D Mark II  + Lente 17mm  f/13.0 Velocidade 1/125 ISO100).


Foto: Diretor da campanha Amazônica do Greenpeace, Paulo Adário (esq.) após voos sobre áreas de desmatamentos em terras Indígenas. (Canon EOS 5D Mark II +peedlite 580EXII + Lente 17mm  f/7.1 Velocidade 1/0.8 ISO200).


Foto: Criação de gado dentro do bioma Amazônia no sul do estado do Pará. (Canon EOS 5D Mark II + Lente 400mm (IS)  f/8.0 Velocidade 1/200 ISO100).


Foto: Desmatamento de 4.000 hectares detectado pelo satélite Landsat 5 dentro do bioma Amazônia no norte do estado do Mato Grosso. (Canon EOS 5D Mark II  Lente 17mm  f/7.1 Velocidade 1/320 ISO200).


Foto: Restos de árvores são agrupadas em fileiras para serem queimadas durante a época da seca no norte do estado do Mato Grosso. (Canon EOS 5D Mark II  Lente 400mm (IS)  f/5.6 Velocidade 1/400 ISO200).


Foto: Tratores  arrastam corrente durante a preparação do solo para o plantio de soja no bioma Amazônia, no norte do estado do Mato Grosso. (Canon EOS 5D Mark II  Lente 400mm (IS)  f/5.6 Velocidade 1/500 ISO400).


Foto: Tratores  arrastam corrente durante a preparação do solo para o plantio de soja no bioma Amazônia, no norte do estado do Mato Grosso. (Canon EOS 5D Mark II  Lente 17mm (IS)  f/7.1 Velocidade 1/640ISO400).


Foto: Tratores  arrastam corrente durante a preparação do solo para o plantio de soja no bioma Amazônia, no norte do estado do Mato Grosso. (Canon EOS 5D Mark II  Lente 400mm (IS)  f/5.6 Velocidade 1/400 ISO400).

Comentários (16)
Deixe seu comentário
Nome
E-mail
Comentário (Seu comentário mínimo 5 caracteres )

  • Por: Anônimo
  • -
  • 4 de agosto de 2009 às 20:02

Angélica – Compartilho da sua indignação.Ao ver essas imagens,pra mim, fica mais do que evidente o quanto a preservação e uso sustentável da Amazônia se fazem necessários.

  • Por: Anônimo
  • -
  • 4 de agosto de 2009 às 20:03

Papu – Muita indignação mesmo!! parabens pelo trabalho, acredito muito no potencial de transformação que tem essas fotos ao sensibilizar e mudar atitudes e posturas.

  • Por: Anônimo
  • -
  • 4 de agosto de 2009 às 20:29

Giordanno Bruno – Fala Baleia. De fato, a Amazônia tá sumindo mesmo e não tenho certeza se ela vai estar por aqui nas próximas décadas. Acho que o homem só vai perceber a falta dela da mesma forma que sente a falta de tudo mais; quando ela se for. É difícil de acreditar que a parte com árvores é maior do que a desmatada, e em breve, quando o contrário ocorrer, espero que alguém olhe e diga “É, tá na hora de fazer alguma coisa.” Não dá pra te dizer que o post é animador e que as fotos estão bonitas, porque destruição é sempre algo ruim de se ver. Mas parabéns pelo trabalho. Um dia estaremos fotografando lado a lado pra ver se alguém faz alguma coisa sobre isso. Abraço. PS: O Papu aqui embaixo é o Papu?! Do Green?! Maneiro.

  • Por: Anônimo
  • -
  • 4 de agosto de 2009 às 21:10

Dani Bambace – Baleia, eu às vezes me pego imaginando se quando eu tiver a oportunidade de subir nesse avião, ainda restará alguma Amazônia que eu possa olhar ou fotografar. Seu trabalho é belíssimo: a mão tem que ser muito firme pra tirar fotos frente a tanta destruição.Parabéns!

  • Por: Anônimo
  • -
  • 5 de agosto de 2009 às 10:02

Luiz Pacheco – Grande Baleia, parabéns pelo excelente trabalho que você realiza como fotógrafo e como ambientalista. A luta de pessoas como você são a esperança de que um dia este tipo de devastação vai acabar.

  • Por: Anônimo
  • -
  • 5 de agosto de 2009 às 10:17

Jimena – que legal Baleia, é ótimo entender melhor como funciona esse trabalho de monitoramento do avanço do desmatamento na Amazônia.fotos incríveis!bjos

  • Por: Anônimo
  • -
  • 5 de agosto de 2009 às 10:44

Fernando Melo – Essa é infelizmente é a realidade. Florestas dando espaço para campos para criação de gado. A pouco acompanhei um serviço de fiscalização da área e o método de trabalho. Mesmo com o esforço de muitos em preservar, monitorar e denunciar, aos poucos perderemos a grandiosidade da floresta amazônica. Abraços e parabéns pelo trabalho Baleia!

  • Por: Anônimo
  • -
  • 5 de agosto de 2009 às 11:33

Vera – Indignação acho que essa palavra já está tão esgotada …. e por mais provas que sejam mostradas nada acontece….. Baleia , as fotos são de uma qualidade absurda como sempre, como você sabe adoro seu trabalho…… O que não podemos é desistir…. bjs

  • Por: Anônimo
  • -
  • 5 de agosto de 2009 às 11:50

Rodrigo Cyrino – Baleia, tenho a mesma indignação. Contudo, desculpe, mas não posso deixar de expressar minha emoção: as fotos estão do caralho! Parabéns! Abraço

  • Por: Anônimo
  • -
  • 5 de agosto de 2009 às 14:49

Gabi – Aéreas assim são para poucos. ; )Indignação significa: precisamos fazer algo urgente. Muito bem. Beijão!

  • Por: Anônimo
  • -
  • 6 de agosto de 2009 às 8:05

Sheila Bonfim – O pior ¿ que reclamamos e n¿o fazemos nada para mudar….

  • Por: Anônimo
  • -
  • 12 de agosto de 2009 às 19:28

silvio serrano – Suas fotos chegam a dar um nó no meu estômago.Nó de indignação , nó de impotência frente ao poder econômicao que fere mortalmente um bioma que ainda não conheçemos absolutamente nada.Triste demais , ver que o ser humano , infelizmente compremete o seu futuro em troca de um presente repleto de lucros .É dificil ver isso e ficar calado ou melhor ….não saber o que fazer !

  • Por: Anônimo
  • -
  • 9 de novembro de 2009 às 17:26

andre – As fotos mostram uma realidade, mostre nas próximas fotos uma solução para os excluídos que estão nesta região. Sem o básico, “moradia, saúde, educação, comida e trabalho”. Infelizmente tem que haver integração econômica as atividades sustentaveis. Sem dinheiro como você faria essas fotos. Os poderosos que exploram a Amazonia estão camuflados na alta sociedade em posições de destaque na política. E os mestiços do mato, está sobre perseguição e julgamento da opinião publica.

  • Por: Anônimo
  • -
  • 6 de outubro de 2010 às 19:39

manasses – a amazonia no futuro proximo sera um deserto . portanto providencia urgente deve ser tomadas

  • Por: Anônimo
  • -
  • 4 de julho de 2011 às 21:04

tiago – suas fotos sao muito bonitas…porem nao concordo com essa indigna¿ao toda.o estado do mato grosso ¿ uma fronteira agricola responsavel por boa parte da produa¿ao de gr¿os do pais e onde muitas familias encontram nas fazendas de soja e milho uma fonte de sobrevivencia. todos os indignados que assim se intitulam deveriam ao inves de sobrevoar as fazendas procurar por os p¿s no ch¿o e buscar informa¿¿es mais concretas sobre a realidade desse povo que vive e luta pela soberania do pais nessas fronteiras.deveriam tambem saber que o nosso pais tem a legisla¿ao ambiental mais rigida do planeta e que essa lei ¿ ainda mais rigida quando se trata do bioma amazonia como citado acima em todas as fotos.tambem vale a pena salientar que os soldados da borracha,os colonos do sul do brasil e do centro oeste que vieram para o bioma amazonia (mato grosso,rondonia,para,acre,amazonas,etc)consolidar e defender o territorio nacional na decada de 80 hoje sao crucificados e tidos como criminosos porque venceram em um territorio selvagem e ainda por desbravar…n¿s os selvagens do bioma amazonia, que conhecemos a realidade deste lugar gostariamos de dizer que nao precisamos ser salvos por ninguem e que aprendemos com essa floresta conhecemos a voca¿ao da nossa terra. salvem a mata atlantica, salvem,as araucarias do rio grande do sul ,salvem a floresta equatorial ou s¿ a amazonia precisa ser salva? vcs so veem arvores na amazonia? quando abrirem a boca para falar sobre preserva¿¿o ambiental olhem o lugar onde voces vivem e comecem por ai cuidem de suas c

  • Por: Anônimo
  • -
  • 18 de julho de 2011 às 14:55

lucio – O Pais ¿ essencialmente agricola ,mas precisamos fazer com que as areas que ja est¿o produzindo , produz¿o mais com tecnicas de produ¿ao , manejo formar e capacitar mais os produtores rurais que muitas vezes acham que oque aprenderam no passado continua valendo . Estamos em outra epoca ,outra realidade esta coisa de palntar e plantar cada vez mais areas com certeza nao e a solu¿ao devemos plantar bem plantado com tecnologia evitar perdas regular colheitadeiras ,que muitas vezes deixam para traz trez vezes ou mais a quantidade de sementes utilizadas no plantio , caminhoes com pessimas carroceirias que perdem um volume exorbitante nas estradas . Encentivar pesquizas em novas cultivares reformar o perfil das faculdades de AGRONOMIA ensinar melhor os futuros proficionais que serao responsaveis pelo futuro da nossa AGRICULTURA .