Achados no País Basco: de San Sebastián a Mundaka de carro (parte 1)

San Sebastián: ponto de partida

Além de ser a cidade mais charmosa da Espanha e de ter a praia urbana mais linda do país, San Sebastián também pode ser uma base estratégica para viagens de bate e volta pelo litoral do País Basco espanhol, e também francês, ou por cidadezinhas medievais do norte de Navarra, uma das comunidades autônomas vizinhas. Como fomos no verão, apostamos nas praias: um dia até Biarritz, na França, e outro dia para o outro lado, em direção a Bilbao e Mundaka.

Mundaka num dia clássico: ponto de chegada (imagem reproduzida do site surfholidays.com)

Se você tem um mínimo de interesse por surf, provavelmente já ouviu falar de Mundaka. A lendária cidadezinha tem o melhor break (de esquerda) da Espanha e, na temporada certa (outono/inverno, de setembro a fevereiro), as ondas tubulares ficam gigantes, coisa de 4 ou 5 metros (e até 8 ou 9 em dias de ressacas tenebrosas).

Paisagem típica da estrada

Se você não tem o mínimo interesse em surfe, considere a cidade apenas o ponto de chegada de uma rota por lugares maravilhosos. Pra quem nunca subiu numa prancha (ou não curte ver os outros fazendo isso), a cidade é apenas um pueblo mais ou menos simpático com uma praia feia que tem um viaduto horripilante passando por cima. O melhor está nos arredores.

As curvas da estrada de Santos são fichinha

De San Sebastián a Mundaka são mais ou menos 100 quilômetros. Pela autopista, em uma hora chega-se lá. Mas essa opção só vale para quem está com pressa de surfar. Para o resto dos mortais, o barato está na estradinha curvilínea (as curvas da “estrada de Santos” são fichinha) que passa rente ao mar e corta povoados charmosos, descortinando paisagens que poderiam ser definidas como uma mistura entre os campos irlandeses e o litoral norte de São Paulo: um relevo montanhoso entrecortado por baías e enseadas, ora coberto por uma vegetação rasteira verde-irlanda, ora por bosques (veja mapa). Ovelhas e lindíssimos cavalos (há vários haras espalhados pela região) pastam na beira da estrada em vários trechos, sob as macieiras de onde se extrai a fruta para fazer a sidra, uma bebida típica no norte da Espanha.

Acordando cedo, dá pra fazer o passeio em um dia, com calma, parando em várias cidadezinhas e pegando uma praia. Com menos pretensões, você até pode sair de San Sebastián um pouco antes do meio-dia para aproveitar a hora do almoço na cidadezinha de Orio, 17 quilômetros adiante (pegue a estradinha pelos fundos do monte Igueldo), famosa por servir o melhor besugo (o peixe mais nobre da célebre lista de peixes espanhóis, indescritível de bom). Vale dizer que o trecho San Sebastián-Orio também pode ser feito a pé, por uma trilha linda que faz parte do Caminho de Santiago do norte (uma alternativa ao francês, mais conhecido, que passa pelo interior do país).

O besugo na brasa de Orio: melhor peixe do mundo

O besugo de Orio rivaliza com o famoso rodaballo de Getaria, 10 quilômetros depois. O lindo povoado também pode servir para que você, além de ter um exemplo da típica arquitetura da região, também mate a curiosidade mórbida de conhecer uma legítima herriko taberna (bar típico onde se reúnem os simpatizantes do ETA e outras facções independentistas do Pais Basco). Como reconhecê-las? Geralmente por fotos de “presos políticos” afixadas nas paredes (quando a polícia não está por perto) e cartazes com mensagens nacionalistas. O cabelo dos freqüentadores também é um aviso: o corte (medonho) curto na frente e com um rabinho atrás diz tudo sobre a opinião política de quem o ostenta.

As outras paradas (já que isso aqui está virando um livro) ficam para o próximo post.

Siga este blog no Twitter: @drisetti

Mais Pais Basco aqui no blog:

Tradições bizarras: Campeonato de levantamento de pedras

Clique aqui para ver as informações práticas sobre San Sebastián: quando ir, onde ficar, a questão do ETA, etc.


Clique aqui para saber sobre a gastronomia de San Sebastián

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.